Esplanada

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994 e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio, entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.


Lula busca reaproximação com Forças Armadas

Ex-presidente conversa com parte das Forças Armadas, insatisfeita com Bolsonaro, visando 2022

Em suas visitas mais constantes a Brasília, onde usa apartamentos funcionais de parlamentares do PT ou um hotel 5 estrelas para se hospedar e articular seu futuro palanque presidencial, Lula da Silva tem recorrido a velhos amigos para reforçar o staff.

O ex-ministro Nelson Jobim e o ex-chanceler Celso Amorim estão em campo na tentativa de reaproximação do petista com parte das Forças Armadas – inclusive na cúpula – insatisfeita com o presidente Jair Bolsonaro.

Lula da Silva tem recorrido a velhos amigos para reforçar o staff – Foto: Divulgação/Paulo Alceu/NDLula da Silva tem recorrido a velhos amigos para reforçar o staff – Foto: Divulgação/Paulo Alceu/ND

Dilma Rousseff no grupo, nem pensar! Há uma resistência de oficiais por causa da Comissão da Verdade, que destruiu a ponte dela com os militares.

TCU, o céu

Há duas vagas super disputadas para ministro do Tribunal de Contas da União. Em junho do ano que vem se aposenta a ministra Ana Arraes. A vaga é da Câmara e a indicação está entre os deputados Soraya Santos e Hugo Leal.

Na vaga do Senado, para o lugar do ministro Raimundo Carreiro, os nomes na lista são a senadora Kátia Abreu – apadrinhada por Renan Calheiros, que emplacou Carreiro – e Antonio Anastasia, apadrinhado pelo presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco.

Pra gringo ver

Fora o desgaste de ter sido convocado pelo Congresso para dar explicações sobre a offshore em paraíso fiscal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve passar incólume, sem punições.

O ministro do STF Dias Toffoli já engavetou pedidos de investigação contra Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Será o mesmo destino dos pedidos de apuração apresentados pela oposição à Comissão de Ética Pública da Presidência da República, colegiado que, tradicionalmente, faz vista grossa para denúncias contra integrantes do Governo.

O episódio tem precedente na política. Em 2017, foi revelada offshore do então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, no Caribe. Também não deu em nada e, um ano depois, Meirelles se candidatou à Presidência.

Que mobilidade…

A queda do secretário nacional de Mobilidade do Ministério do Desenvolvimento Regional, Tiago Queiroz, abriu disputa entre partidos do Centrão.

Tiago foi indicado pelo Republicanos, que não abre mão da vaga responsável pela gestão de verba milionária da pasta.

Mas outros nomes – indicados pelo PP e PL – já estão na mesa do presidente Jair Bolsonaro. O agora ex-secretário jogou a toalha após ser investigado por suposta corrupção na Saúde.

Entre 2016 e 2018, ele foi diretor de Logística do Ministério na gestão do então ministro Ricardo Barros (PP-PR).

Loading...