Esplanada

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994 e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio, entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.


PSDB gastou R$ 10 milhões em prévias que avalizaram Doria

A despeito do ensaio de coalizão, nada está definido sobre apoio a Simone Tebet

Antes de “jogar a toalha” e desistir da corrida presidencial, João Doria implorou – como última cartada – por apoio de uma ala do partido para judicializar as prévias e tentar manter sua candidatura. O ex-governador paulista disputou internamente com Eduardo Leite (RS) e o ex-senador Arthur Virgílio (AM) em novembro do ano passado. Venceu com 53,99% dos votos. Grão-tucanos, no entanto, avaliaram que, se as prévias fossem judicializadas, o partido ficaria mais enfraquecido e decidiram abandonar Doria.

Prejuízo

Sem Doria, Eduardo Leite ou outro nome para disputar a Presidência – pela primeira vez desde a fundação do partido -, o PSDB amarga prejuízo de mais de R$ 10 milhões que foram gastos com as prévias.

Afagos

Apesar dos afagos da pré-candidata Simone Tebet (MDB) a Doria, nem tudo está pacificado entre MDB e PSDB. O deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-governador Marconi Perillo (PSDB-GO) e caciques emedebistas criticam a eventual aliança.

Homeschooling

Aprovado na Câmara, o projeto que autoriza o ensino domiciliar (homeschooling) tem forte resistência no Senado. O presidente Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e Marcelo Castro (MDB-PI), presidente da Comissão de Educação, são avessos à proposta.

Chacina

Auditores fiscais esperam que, 18 anos depois, o fazendeiro Antério Mânica seja condenado pelo crime conhecido como Chacina de Unaí, quando quatro funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego foram brutalmente assassinados na zona rural da cidade. Mânica será novamente julgado hoje, pelo Tribunal do Júri da Justiça Federal.

Impunidade

“Não há mais espaço para recursos procrastinatórios após 18 anos em que o caso se arrasta e a impunidade prevalece. Todos precisam cumprir as penas estabelecidas numa demonstração exemplar de punição dos culpados”, afirma à Coluna Rosa Jorge, diretora do Sindicato dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait).

A Noite

Conhecido como Edifício A Noite, o histórico prédio localizado na Praça Mauá (RJ) irá a leilão no dia 14 de julho. O apelido do imóvel é uma referência ao jornal de mesmo nome que funcionou até 1957. O imóvel tem 22 andares, 102 metros de altura e está avaliado em R$ 38,5 milhões.

Fundo

O Novo é o único partido que abre mão do milionário Fundo Eleitoral, destinado a financiar as campanhas políticas no Brasil. À Coluna, a legenda posiciona que ainda não foi disponibilizada pelo TSE a data de liberação dos recursos: “Porém, como aconteceu em 2018 e 2020, o Novo devolverá todo o recurso recebido”.

Pós-Covid

As transformações que a pandemia de Covid-19 trouxeram ao Direito no Brasil foram debatidas no Congresso Nacional da Academia Brasileira de Direito (ABD), realizado em Belém. O presidente da Comissão Especial de Desjudicialização do Conselho Federal da OAB, Diego de Paiva Vasconcelos, falou sobre o “Estado de Coisas Inconstitucionais”.

Magna

O membro da ABD e imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) Joaquim Falcão foi o responsável pela conferência magna. “A Constituição, sem uma medição de sua eficácia, é só palavras. Pode ter efeito na mídia, pode ter efeito até entre as partes – individualismo –, mas não terá efeito no Brasil”, disse o jurista. Também participaram nomes como Ives Gandra Martins e Lênio Streck.

Caminhõe$

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ingressou com representação no Tribunal de Contas da União (TCU) para que sejam tomadas “medidas urgentes” na apuração de suposto superfaturamento de R$ 109 milhões na compra de caminhões de lixo por parte do poder público federal.

Cobrança

O senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) e um grupo de deputados federais e estaduais cobram explicações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O motivo são os aumentos na conta de luz dos brasileiros, bem acima da inflação. Vieira quer que a Aneel detalhe os critérios dos reajustes e os impactos para os consumidores de baixa renda e os setores produtivos.

Loading...