Após repercussão, Daniela justifica por que SC não assinou carta a Joe Biden

Governadora interina de Santa Catarina não acredita que a iniciativa em defesa do meio ambiente terá resultados

Governadores brasileiros se uniram, na semana passada, no que chamaram de “coalização de Governadores pelo Clima” e encaminharam ao presidente norte-americano Joe Biden uma carta para sugerir cooperação na defesa do meio ambiente.

Até esta quarta-feira (21), 23 governadores já haviam assinado a carta e apenas três optaram por ficar de fora da iniciativa: Daniela Reinehr (sem partido), governadora interina de Santa Catarina, é um deles. Além de Coronel Marcos Rocha (PSL), de Rondônia, e Antônio Denarium (sem partido), de Roraima.

Daniela Reinehr diz que SC não assinou carta de governadores a Joe Biden porque iniciativa não tem eficácia – Foto: Fotos Publicadas/Divulgação/Leo Munhoz/NDDaniela Reinehr diz que SC não assinou carta de governadores a Joe Biden porque iniciativa não tem eficácia – Foto: Fotos Publicadas/Divulgação/Leo Munhoz/ND

>> Confira a carta na íntegra AQUI

A reportagem entrou em contato com a assessoria da governadora Daniela Reinehr para saber o motivo da recusa em participar da iniciativa. Por meio de nota, Daniela afirmou que a carta é “um manifesto sem qualquer eficácia prática ou jurídica”.

A governadora ainda ressaltou que as relações exteriores são uma responsabilidade da União e que são coordenadas pelo Itamaraty. E finaliza dizendo que o governo optou por não participar pois a ação “não enseja qualquer perspectiva de resultados práticos”.

Confira a nota na íntegra:

“O Estado de Santa Catarina é pioneiro na defesa do meio ambiente. Foi aqui que nasceu o primeiro Código Estadual do Meio Ambiente, legislação moderna e que acabou inspirando o Congresso Nacional a produzir o Código Nacional. Ambos com definitiva participação do catarinense Luiz Henrique da Silveira.

Mantemos a defesa do desenvolvimento econômico sustentável, com respeito pleno ao equilíbrio ambiental.

Ocorre que esta carta ao Presidente dos EUA representa um manifesto sem qualquer eficácia prática ou jurídica.

Relações exteriores estão a cargo da União, são pautadas por normas e princípios de soberania nacional e estão sob o comando do Itamarati (sic) e do Presidente da República.

As relações e comunicações entre um País e outro se estabelecem por tratados e acordos devidamente formalizados. Optamos por não participar dessa ação, que não enseja qualquer perspectiva de resultados práticos.”

A carta

O objetivo da carta, segundo os signatários, é “impulsionar o equilíbrio climático, a redução de desigualdades, a regeneração ambiental, o desenvolvimento de cadeias econômicas verdes e o estímulo à adoção de tecnologias para reduzir as emissões de atividades econômicas tradicionais nas Américas”.

A carta fala em um esforço conjunto na construção de um modelo civilizatório mais saudável e resiliente a pandemias.

Os últimos números do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) sobre desmatamento, divulgados na sexta-feira (9), indicaram que houve, em março, o maior nível de toda a série histórica, iniciada em 2015, ao alcançar 367 quilômetros quadrados de árvores derrubadas.

A reportagem também procurou o governador afastado Carlos Moisés (PSL), mas a assessoria de imprensa respondeu apenas que a carta foi direcionada a Daniela Reinehr e que, quando for direcionada a Moisés, ele pode ser procurado.

Veja quem assinou:

  • Acre – Gladson Cameli (Progressistas)
  • Alagoas – Renan Filho (MDB)
  • Amapá – Waldez Góes (PDT)
  • Amazonas – Wilson Lima (PSC)
  • Bahia – Rui Costa (PT)
  • Ceará – Camilo Santana (PT)
  • Espírito Santo – Renato Casagrande (PSB)
  • Goiás – Ronaldo Caiado (DEM)
  • Maranhão – Flávio Dino (PCdoB)
  • Mato Grosso – Mauro Mendes (DEM)
  • Mato Grosso do Sul – Reinaldo Azambuja (PSDB)
  • Minas Gerais – Romeu Zema (Novo)
  • Pará – Helder Barbalho (MDB)
  • Paraíba – João Azevêdo (Cidadania)
  • Paraná – Ratinho Júnior (PSD)
  • Pernambuco – Paulo Câmara (PSB)
  • Piauí – Wellington Dias (PT)
  • Rio de Janeiro – Cláudio Castro (PSC)
  • Rio Grande do Norte – Fátima Bezerra (PT)
  • Rio Grande do Sul – Eduardo Leite (PSDB)
  • São Paulo – João Doria (PSDB)
  • Sergipe – Belivaldo Chagas (PSD)
  • Tocantins – Mauro Carlesse (PSL)

*Com informações do R7. 

+

Política Internacional

Loading...