Deputado de SC é convocado para as eleições no Chile; entenda

Deputado kennedy Nunes foi convocado como "observador eleitoral" das eleições presidenciais do Chile, que ocorrem neste domingo, dia 21

O deputado estadual por Joinville, kennedy Nunes, vai participar das eleições presidenciais do Chile, marcadas para este domingo (21/11).  Kennedy foi convocado para participar como ‘observador’ da eleição.

Reunião dos observadores com o governador de Santiago - Foto: Divulgação NDReunião dos observadores com o governador de Santiago – Foto: Divulgação ND

Observador eleitoral é pessoa designada por organizações internacionais que acompanha o processo eleitoral. E um dos principais objetivos é garantir a transparência do pleito.

Todo o processo eleitoral têm observação internacional, explicou o deputado, que viajou ao Chile já no início desta semana.

Com Kennedy já foi presidente da União dos Parlamentares do Mercosul e também da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) sempre é convocado para estas missões. Esta é a sexta do deputado. Já passou pela Argentina, México, entre outros países.

O observador não pode interferir em absolutamente nada do processo. Num primeiro momento, conhece todo o processo de votação, de apuração, fiscalização e as entidades fiscalizadoras envolvidas. Ficam, geralmente, uma semana no País.

Cada observador é destacado para fazer uma série de locais de votação. Ao todo, 25 observadores foram convocados para as eleições do Chile. São juízes eleitorais, advogados eleitorais, desembargadores de todos os estados brasileiro e representante do Tribunal Superar Eleitoral (TSE). Kennedy Nunes é o único deputado que faz parte da delegação.

Ao todo, foram convocados 25 observadores eleitorais que ficam durante uma semana em Santiago. – Foto: Divulgação NDAo todo, foram convocados 25 observadores eleitorais que ficam durante uma semana em Santiago. – Foto: Divulgação ND

No dia da votação, a missão do observador é verificar os locais de votação e depois escrever um relatório que será enviado às entidades ligadas à ONU (Organização das Nações Unidas).

“O observador não é o fiscal. Se ele vir algo errado, não pode fazer nada, mas precisa colocar no relatório”, destacou o deputado.

“Não existe uma eleição tão indefinida e provocativa como essa do Chile”, resume o deputado. O primeiro turno ocorre neste domingo.

Em paralelo, está ocorrendo também no País uma revisão da Constituição, fruto de um acordo para frear a convulsão violenta social que começou em outubro de 2019.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Política Internacional

Loading...