Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


Chegamos ao fundo da fossa.

Por mais que se admitam os possíveis crimes cometidos pelo presidente do PTB, Roberto Jefferson, devido sua exacerbação e contundência, as reações a sua prisão se concentraram no ministro Alexandre de Moraes em mais uma de suas ações de semideus do Olimpo Jurídico. Chegou-se ao limite da intolerância. Como um ministro instaura um inquérito ou investigação, que é responsabilidade do Ministério Público ou da Polícia? Alexandre de Moraes vem abusando de um autoritarismo judiciário com consequências preocupantes. E o pior, seguido por seus pares que não reagem em nome da Constituição. Quem investiga não julga, quem julga , não investiga. O STF está desrespeitando a Lei Maior. Por mais que digam o contrário, a imparcialidade e a isenção de quem julga acabam comprometidas. Essa é a questão mais assustadora. A Polícia Federal tem que ser provocada pelo Ministério Público. Nenhum juiz pode pedir diligências , presidir um inquérito. O STF da mesa farta e vinhos de selo de qualidade vem extrapolando de suas funções provocando indignação e de repente manifestações como a do ex-deputado Roberto Jefferson, que acabam perdendo as consequências. Mas será que a maioria dos brasileiros não sente o mesmo diante de tanta arrogância jurídica? Processar, defender e julgar são funções separadas. Mas isso não existe para os ministros da toga imperial. E fica a indagação : Será que todas essas provocações totalitárias promovidas pelo STF visam apenas a derrubada de Bolsonaro ou tem mais por trás dessas agressões a democracia? E a vida segue !!!!

Loading...