Fabio Gadotti

Comportamento, políticas públicas, tendências e inovação. Uma coluna sobre fatos e personagens de Florianópolis e região.


Comcap: “Uma empresa que compromete 86% do orçamento com folha é insustentável”

Manu Vieira, vereadora do Partido Novo na Câmara de Florianópolis, avalia os projetos mais polêmicos do pacote enviado pela prefeitura

Manu Vieira: “Precisamos de uma cidade que gere oportunidades às pessoas” – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/NDManu Vieira: “Precisamos de uma cidade que gere oportunidades às pessoas” – Foto: Anderson Coelho/Arquivo/ND

Estreante na Câmara de Florianópolis, Manu Vieira entende que, em linhas gerais, o pacote enviado pelo Executivo está alinhado com o pensamento do Novo, que tem como bandeira a liberdade econômica e a “transferência do poder do Estado para o cidadão”. Confira a conversa com a coluna.

O que vai nortear e ser decisivo na votação sobre os projetos enviados pela prefeitura, considerando, inclusive, a cartilha do Novo?
Nosso partido defende liberdade econômica, tem essa bandeira, além da transferência do poder do Estado para o cidadão.

Nesse sentido, entendo que muitos dos projetos foram apresentados com olhar de urgência justamente porque passamos por uma pandemia e precisamos de uma cidade que gere oportunidades às pessoas. Foi isso o que me moveu a aceitar esse ritmo de urgência (convocação extraordinária).

Qual sua opinião sobre o projeto que mexe com a Comcap, o mais polêmico?
O acúmulo de acordos trabalhistas, garantidos por sucessivas greves, tornou a situação no limite e a folha muito onerosa. Além disso, a impossibilidade de fazer a terceirização dos serviços deixa a cidade à mercê.

O projeto do Executivo dá mais possibilidades para a cidade. Uma conversa mais firme é necessária. Em linhas gerais, o texto é positivo para a cidade. Não temos um teto para os acordos acumulados, isso difere muito em relação aos outros servidores, e muitas gratificações vão sendo acumuladas mesmo depois das pessoas saírem das funções.

Uma empresa que compromete 86% do orçamento com folha é insustentável: não há espaço para investimentos e modernização. Faz muito sentido discutir a situação da Comcap.

Outra proposta que provoca mais discussão é a que trata do Plano Diretor. Qual sua avaliação?
Muitos fazem uma imagem do Plano Diretor como um instrumento da realidade, só que é o contrário. Desde 2014, a cidade cresceu 30%, só que apenas 1% de forma regular.

As pessoas não vão deixar de ocupar o espaço se precisarem e precisamos facilitar para que tenha desenvolvimento, e não ocupação.

Estamos conversando com muitas entidades que discutem Florianópolis que estão se manifestando a favor do projeto, pois contempla muitas discussões  já feitas no Conselho da Cidade.