Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Contratempos de deputada impedem discussão sobre mudança no aluguel de gabinetes em SC

Deputada Paulinha, relatora da matéria, alega que ficou presa no trânsito e em reunião

Contratempos impediram que a discussão sobre a forma como os deputados estaduais alugam seus escritórios de representação parlamentar no interior do Estado avançasse nesta terça-feira (16) na Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Paulinha não esteve na reunião da CCJ na Alesc – Foto: Bruno Collaço/Divulgação/NDPaulinha não esteve na reunião da CCJ na Alesc – Foto: Bruno Collaço/Divulgação/ND

A proposta seria relatada pela deputada estadual Paulinha (sem partido) no âmbito da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Mas, a parlamentar não compareceu à reunião.

Conforme a assessoria, Paulinha ficou presa no trânsito para sair de Bombinha. Além disso, uma reunião que tinha no IMA-SC (Instituto do Meio Ambiente) se alongou mais que o previsto. O encontro foi, justamente, para discutir a mobilidade urbana do município.

O que muda no aluguel

Hoje, os contratos são feitos em nome da Alesc. A ideia é que os deputados aluguem diretamente em seu nome e depois cobrem o reembolso.

O projeto de resolução PRS/0008.9/2021, assinado pela mesa diretora, pretende alterar a resolução de 2005.

Conforme a proposta, cada deputado poderá abrir até dois escritórios de representação, que sejam em cidades diferentes.

Serão ressarcidos até R$ 2.973,85. Todo ano o valor será reajustado pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) dos últimos 12 meses.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...