Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


Dia da Consciência Negra

Eu queria lembrar uma manifestação de Nelson Mandela quando ele disse o seguinte: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”. Resume tudo…hoje estamos num momento em que a prioridade é o ódio. Não há mais tempo para o contraditório, muito menos para o diálogo. O ódio vem sendo a tônica das conversas, num tom de imposição, de força e de agressão. As redes sociais são exemplo visível disso tudo, lamentavelmente. Seguiram um caminho torto. Usam todo esse avanço tecnológico de comunicação entre as pessoas para ofender, desmerecer, desqualificar…basta você contrariar com argumento alguma ideia nas redes sociais para ser alvo de apedrejamentos. Virou palco de ataques desproporcionais, onde estamos aprendendo a odiar. Não há tempo de acrescentar, argumentar, permitindo inclusive uma aproximação saudável entre pessoas, estimulando amizades, embasada por um debate evoluído. O dia da consciência negra, onde o valor das pessoas não está no cor, mas no caráter, no coração, é um momento para refletir e não permitir que esse ódio, acadêmico, se prolifere. Albert Einstein dizia que é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito. Mas não se nasce preconceituoso. Tudo isso se aprende. Vamos exercitar o aprendizado pelo bem, e não pelo mal. Muito mais que o dia da consciência negra, branca, amarela, albina vamos evoluir dia a dia na consciência humana, enquanto a vida segue!