Confira os melhores momentos do debate entre os candidatos à prefeitura de Joinville

Adriano Silva (Novo) e Darci de Matos (PSD) se enfrentaram na noite deste sábado (21), em debate transmitido ao vivo pela NDTV e pelo portal ND+

Joinville vai às urnas no próximo dia 29 para escolher quem será o próximo prefeito da cidade. E para ajudar o eleitor nesse importante momento da democracia, o Grupo ND promoveu, neste sábado (21), um debate entre os candidatos Adriano Silva (Novo) e Darci de Matos (PSD), que disputam o segundo turno no município.

Debate foi transmitido pela NDTV e pelo portal ND+ – Foto: Carlos Jr./NDTV

Confira os momentos mais marcantes:

Doações de campanha

No primeiro, e mais caloroso bloco em relação à troca de farpas, os dois candidatos perguntaram um ao outro sobre temas livres. Darci de Matos começou perguntando e aproveitou o tempo para alfinetar o oponente, perguntando a ele de onde vem o dinheiro utilizado pelo Novo na campanha, uma vez que o partido não usa fundo eleitoral ou partidário.

Adriano respondeu que acredita “que o dinheiro do imposto tem que estar no Governo Federal e ser usado em saúde, educação e segurança, não para bancar políticos”. Ele explicou que o partido vive de recursos vindos de seus filiados a partir da uma mensalidade e da venda de itens e que a campanha também é custeada com doações de pessoas físicas. “Não temos nenhum grande doador que é dono do partido ou que manda no partido”, disse o prefeiturável do Novo.

Darci aproveitou o momento para dizer que votou favorável à redução do fundo partidário eleitoral e que, como deputado, não usa privilégios como o auxílio mudança. Novamente, ele trocou farpas com o concorrente: “quero esclarecer que esse é mais um truque do partido Novo, que tem o maior custo por voto do Brasil, apesar de não ter nenhum prefeito eleito”. Ele ainda ressaltou a doação feita pelo empresário Salim Mattar à campanha de Adriano.

Adriano Silva explicou de onde vem os recursos do partido – Foto: Carlos Jr./NDTV

Em relação às doações à campanha, o candidato do Novo também provocou Darci de Matos. “Estranho falar sobre isso quando o senhor recebe doação da JBS, uma empresa que a gente sabe que está na Lava Jato. Nós também achamos estranho que o seu vice fez uma doação de R$ 100 mil à campanha com um patrimônio de R$ 200 mil. Isso é estranho”, destacou Adriano Silva.

Divulgação de fake news

Ainda no primeiro bloco, Darci de Matos disse que é vítima de fake news divulgadas pelo partido Novo e acusou o deputado Gilson Marques, que faz parte da sigla, de ter usado equipamentos e profissionais do seu gabinete para divulgar uma notícia falsa sobre o candidato do PSD.

Adriano fez o contra-ataque: “o senhor chamou uma coletiva de imprensa e não apresentou prova alguma disso. Agora, nós temos provas de que partiu do gabinete do seu assessor de campanha fake news dizendo que o Zema usou o avião do governo do Estado para vir para Joinville. Aliás, você já foi condenado por fake news e teve que pagar multas por isso. Eu faço uma campanha bonita e quero continuar fazendo isso”, disse o prefeiturável do Novo.

Ele também aproveitou a oportunidade para falar sobre fake news contra a sua campanha. “Nunca conversei com Udo sobre política, não faço parte do MDB, não tenho qualquer relação com o Udo e com o MDB. O partido Novo segue sozinho, não fizemos coligação. Somos um partido de direita, sou cristão conservador, contra o aborto, contra drogas e contra ideologia de gênero nas escolas”, falou.

Darci de Matos falou sobre as fake news na campanha – Foto: Carlos Jr./NDTV

Ainda sobre direita e esquerda, Darci de Matos usou seu tempo para lembrar que a vice de Adriano, a jornalista Rejane Gambim, foi secretária do PT no governo Carlito Merss. Além disso, destacou, novamente, a acusação de fake news produzida pelo deputado Gilson Marques. “Covardemente, o deputado Gilson Marques, que já foi denunciado, se utilizou do seu assessor que ganha R$ 12 mil, do computador da Câmara, para me atacar, para tentar arranhar a minha imagem”, ressaltou.

Adriano disse que Rejane Gambin foi contratada como profissional pelo governo do PT em Joinville e que essa é primeira vez que se filiou a um partido.

Vinda de Romeu Zema à Joinville

A vinda de Romeu Zema, governador de Minas Gerais pelo Novo, à Joinville também rendeu troca de farpas no segundo bloco. “O governador Zema esteve hoje em Joinville enquanto Minas explode com o coronavírus para dar apoio à sua candidatura. Como ele veio em relação aos gastos?”, perguntou  Darci de Matos. Ele também destacou que o partido Novo não conseguiu eleger nenhum prefeito em Minas e nem no Brasil no mesmo questionamento.

Adriano explicou que o partido Novo só participou de campanhas em 35 cidades porque os seus candidatos fazem provas para se certificar de que estão aptos para assumir o cargo de prefeito e contra-atacou: “o seu partido perdeu em 18 cidades onde estava no governo, não dá para comparar partido com partido”.

Sobre a vinda de Zema, Adriano disse que o governador de Minas Gerais veio em um vôo comercial, enquanto seus seguranças usaram um avião da Polícia Militar porque ficou mais barato. “De forma alguma Romeu Zema usou o dinheiro do Estado. Ele está aqui para nos ajudar e mostrar como um empresário consegue transformar um Estado”, declarou.

Darci alfinetou a presença de Zema novamente, dizendo que em um levantamento ele foi considerado o pior governador do Brasil. “Quanto custa uma viagem de um jatinho de Minas Gerais para Santa Catarina trazendo toda a sua comitiva? Veio a comitiva para dar apoio ao governador para fazer política, isso não é zelo com o dinheiro público”, disse.

Adriano respondeu alfinetando o oponente. “Me chama a atenção a sua fala porque você foi um dos deputados estaduais que mais gastou em despesas com diárias, mais de R$ 260 mil em um ano como deputado federal, enquanto a Assembleia Legislativa de São Paulo inteira não gastou isso num ano”, contra-atacou. 

Debate foi mediado pelo jornalista Paulo Alceu – Foto: Carlos Jr./NDTV

Ligação com o MDB

Ainda no segundo bloco, Darci de Matos falou que Adriano Silva tem uma história de ligação com o MDB. “Nós sabemos que o seu pai foi presidente do MDB no passado, seu tio foi deputado estadual pelo MDB, o sobrinho de Udo se elegeu vereador pelo Novo, ele não colocou no MDB”, disse. Ele ainda insinuou que o candidato de Udo Döhler, atual prefeito de Joinville, no primeiro turno não seria o emedebista Fernando Krelling, mas sim Adriano Silva.

Adriano respondeu aos risos. “Desculpa, mas eu tive que rir. O Novo não fez nenhuma coligação. Não faço parte do MDB, é a primeira vez que sou filiado a um partido, nunca conversei com o Udo, meu pai fez parte do MDB há vinte anos”, disse o candidato do Novo. “Estranho você falar isso quando tem um vice do MDB e um coordenador de campanha que foi vice do Udo”, completou Adriano, referindo-se a Rodrigo Coelho.

Preparação para a campanha

No terceiro bloco, em que os candidatos respondiam perguntas sorteadas feitas pela produção da NDTV, Darci de Matos alfinetou Adriano Silva em relação à sua preparação para a campanha. “Você me ataca, diz que eu não faço nada na Câmara, mas diz que fez curso na Renova, esse curso é de 96 horas. 96 horas eu faço numa semana”, provocou. Adriano se defendeu dizendo que, além do curso, conhecer empresas e pessoas que o ajudaram a conhecer o que funciona na administração das cidades.

Ainda nesse bloco, em um debate sobre corrupção, o candidato do Novo falou que o arquiteto que vai trabalhar nos projetos de Darci não tem ficha limpa. O prefeiturável do PSD respondeu dizendo que o arquiteto é um dos melhores planejadores do mundo.

Este foi o primeiro debate do segundo turno transmitido na televisão – Foto: Carlos Jr./NDTV

Troca de farpas nas considerações finais

No quarto bloco, utilizado para as considerações finais dos candidatos, Adriano Silva disse que “politicagem é político que pensa na sua carreira, no que é melhor para ele, não no melhor para a população” e alfinetou novamente o adversário falando sobre pessoas que começam e não terminam seus mandatos. “Todo político que se mantém na sua atividade respeita o voto”, afirmou.

Darci de Matos, por sua vez, utilizou seu tempo para criticar o oponente. “Me preocupo com a falta de vivência de mundo público do meu concorrente. Sabemos que o mundo empresarial é diferente do mundo público. Veja de que forma Udo está entregando a cidade para nós, não podemos ser um laboratório”, criticou.

Confira o debate entre Adriano Silva e Darci de Matos na íntegra:

Siga em tempo real