Primeira vereadora negra de Joinville recebe ameaças de morte

Ana Lucia Martins, do PT, foi ameaçada em comentários de posts publicados nas redes sociais

No último domingo, Ana Lucia Martins (PT) foi eleita a primeira vereadora negra da cidade. Porém, o que era para ser motivo de comemoração tem se transformado em medo.

Isso porque a nova vereadora recebeu diversas ameaças nas redes sociais desde que o resultado das eleições foi divulgado. No Twitter, uma pessoa que usa um perfil anônimo sugere matá-la para colocar um suplente branco no lugar. Ana Lucia denunciou a situação em suas redes sociais.

Ana Lucia denunciou os ataques em suas redes sociais – Foto: Redes sociais/Divulgação/ND

Segundo ela, os ataques começaram logo depois de divulgado o resultado das eleições, quando alguém, com um aparelho identificado como sendo de Timbó, invadiu o perfil dela no Instagram, retirou a foto do perfil e apagou a bio. A situação, no entanto, foi rapidamente resolvida pelo pessoal da campanha.

Já na segunda-feira (16), muitos posts comemorando os resultados nas redes sociais foram alvo dos comentários ameaçadores. “Num desses comentários, um perfil fake diz de forma muito explícita a seguinte frase: agora precisamos matar ela para que o próximo suplente assuma, que é um homem branco. Não resta dúvida de uma ameaça de morte”, destaca Ana Lucia.

Além desse comentário, o mesmo perfil fez outras falas contra a nova vereadora. “Eu fiquei tão impactada que não quis ler os detalhes”, conta ela. Para Ana, era evidente que a ideia de uma mulher negra que fala sobre feminismo e racismo assumindo a Câmara não seria tão bem recebida, porém, ela não esperava esse tipo de ataque.

“A indignação é muito grande porque se trata de um impedimento, uma tentativa de impedimento da minha mobilidade, das pessoas que me elegeram, da pessoa negra. O racismo é tão impactante que mesmo com todos os processos legítimos, quer nos impedir de fazer valer o nosso direito de existir como cidadãos e sujeitos políticos”, reclama.

Ana Lucia Martins foi eleita a primeira negra vereadora de Joinville – Foto: Redes sociais/Divulgação/ND

Além da indignação, Ana agora convive também com o medo. “Estou impedida de exercer minha cidadania. É inaceitável que eu não possa ir às ruas agradecer e me movimentar na cidade como os outros candidatos eleitos estão podendo fazer”, fala.

Ana Lucia também ressalta que suas propostas em nada ameaçam a cidade. “As nossas propostas tornam essa cidade ainda mais acolhedora e humanizada, ainda mais plural e inclusiva. Toda a população deveria comemorar propostas como essa”, avalia.

Um boletim de ocorrência já foi feito e, nesta tarde, a nova vereadora deve prestar depoimento à Polícia Civil, que vai investigar o caso.

+

Eleições 2020