Poder

os bastidores da política em Santa Catarina com informação e opinião sobre os fatos quentes do poder.


TRE-SC pede notas fiscais das campanhas eleitorais de 2020

Todas as informações devem ser prestadas pelas secretarias ao TRE até o dia 15 de dezembro. As informações dessas notas irão compor uma base nacional de dados

As Secretarias de Fazenda do Estado e dos municípios devem apresentar ao TRE-SC (Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina) os dados das notas fiscais eletrônicas referentes às operações de venda, prestação de serviço ou doação emitidas pelos candidatos e partidos políticos.

Foram solicitadas informações que abrangem o período de 26 de setembro a 5 de dezembro de 2020 para a geração de dados. Todas as informações devem ser prestadas pelas secretarias ao TRE até o dia 15 de dezembro de 2020.

De acordo com o TRE-SC, a medida faz parte de uma estratégia nacional que tem como objetivo atuar pela transparência e contra a corrupção no financiamento das campanhas eleitorais de 2020.

As informações dessas notas irão compor uma base nacional de dados, que será utilizada no cruzamento com os lançamentos das prestações de contas de campanhas eleitorais de 2020 em todo o país.

Processo injusto e descabido

Em visita às obras emergenciais das pontes Colombo Salles e Pedro Ivo na sexta-feira (16), o governador Carlos Moisés (PSL) voltou a dizer que acredita nos arquivamentos dos processos de impeachment contra ele e a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido).

O governador comentou que todo o processo é ruim para Santa Catarina e tem lhe tirado energia e foco no trabalho. Segundo ele, não se pode banalizar o processo de impeachment e que o procedimento tem prejudicado o andamento dos trabalhos dos poderes constituídos.

Moisés reafirmou que considera o processo de impeachment como “injusto” e “descabido”. “A solução agora é dar a melhor solução, que é o arquivamento desse processo”, comentou o governador.

Dureza

A ministra Rosa Weber votou contra o governador mais uma vez na tarde de sexta-feira (16). Os demais membros do STF têm até às 23h59 da próxima sexta-feira (23), dia em que o tribunal de julgamento vai votar o afastamento de Carlos Moisés, para definirem seus votos sobre a ação impetrada pelos membros da PGE (Procuradoria Geral do Estado).

A semana começa com forte expectativa por parte do governo e, igualmente, dos opositores. Querem conhecer o desfecho total e dar fim ao impasse que congelou o Estado desde que foram conhecidos os escândalos da equiparação salarial dos Procuradores e o sumiço de R$ 33 milhões dos chamados respiradores fantasmas que motivaram os pedidos de cassação. Da próxima segunda-feira até a sessão do tribunal misto, a semana promete fartura de estresse e ranger de dentes.
Marcos Schettini

Estrago

Continua o imenso estrago feito pelo arrogante e sobretudo vaidoso ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello. As polícias, estaduais e federais, inclusive as de SC ou aqui baseadas, foram mobilizadas, sabe-se lá a que custo para o contribuinte, para achar o paradeiro de 20 outros criminosos soltos por decisões do mesmo ministro “supremo”, em casos semelhantes aos do bandidão André do Rap.
Raul Sartori