Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


Existem os incapazes e os capazes se tudo … onde o cidadão de bem cada vez tem menos espaço.

A inversão de valores vem se agravando e estabelecendo uma nova ordem de relação humana. Mas não é de hoje. Como dizia o ex-presidente Janio Quadros , isso lá na década de 60: “No Congresso metade são incapazes e a outra metade , capazes de tudo.” Frase atual. E pelo visto lamentavelmente esse percentual dos capazes de tudo vem crescendo, apesar de todo o empenho do eleitor brasileiro em 2018 sonhando com mudanças. O capaz de tudo, sublinhado por Janio Quadros, significa inverter os valores morais e éticos que estão inseridos na formação do caráter das pessoas. É exatamente isso que vemos e convivemos no cotidiano da política. Difícil assimilar senadores abarrotados de processos judiciais impondo regras e assumindo cargos de poder. Políticos e empresários presos por posse de dinheiro público sendo protegidos pela Justiça. Ética, palavra em desuso, não é considerada, e sim o dinheiro a qualquer custo, pois ascende rápido ao poder e cria uma corrente de cúmplices que acaba emoldurando uma proteção. Explique para seu filho que estudar, respeitar as pessoas e ser honesto é o mínimo considerável. Hoje esses princípios se chocam com criminosos sendo libertados e inclusive respeitados pela sociedade. Enquanto isso no Congresso , vitrine da política nacional, aumenta cada vez mais a quantidade de capazes de tudo. Não só lá …