Cacau Menezes

Apaixonado pela sua cidade, por Santa Catarina, pelo seu país e pela sua profissão. São 45 anos, sete dias por semana, 24 horas por dia dedicados ao jornalismo


Governador Carlos Moisés propôs PEC durante impeachment

Matéria de hoje do jornal O Estado de S. Paulo

Em San­ta Ca­ta­ri­na, a ini­ci­a­ti­va de pro­por a cri­a­ção da emen­da “che­que em bran­co” foi do go­ver­na­dor Car­los Moi­sés (PSL), na es­tei­ra da ar­ti­cu­la­ção pa­ra se li­vrar do im­pe­a­ch­ment. Ele en­ca­mi­nhou uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC), no ano pas­sa­do, e já re­pas­sou R$ 421,5 mi­lhões de ju­lho de 2020 até ago­ra. Es­te ano, após dois afas­ta­men­tos, Moi­sés re­to­mou a ca­dei­ra e propôs uma no­va PEC am­pli­an­do o me­ca­nis­mo pa­ra to­das as trans­fe­rên­ci­as do Es­ta­do, in­cluin­do, além das emen­das par­la­men­ta­res, os re­pas­ses di­re­tos do Exe­cu­ti­vo.

A PEC do “fun­do a fun­do”, co­mo foi cha­ma­da a se­gun­da me­di­da, foi apro­va­da em me­nos de um mês, con­tra­ri­an­do aler­tas do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Con­tas do Es­ta­do e da Con­sul­to­ria Le­gis­la­ti­va da As­sem­bleia, que se po­si­ci­o­na­ram con­tra a pro­pos­ta. “Em San­ta Ca­ta­ri­na, apa­ren­te­men­te, is­so tem uma jus­ti­fi­ca­ti­va. Dois pro­ces­sos de im­pe­a­ch­ment e há uma con­ta que pre­ci­sa ser pa­ga. Tal­vez es­se me­ca­nis­mo es­te­ja na con­ta”, afir­mou o pro­cu­ra­dor Di­o­go Ro­ber­to Rin­gen­berg, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Con­tas de San­ta Ca­ta­ri­na. “É pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel a fis­ca­li­za­ção.”

Governador Carlos Moisés soube aproveitar “bem” a pandemia. Foto: Márcio Serafini/Secom/NDGovernador Carlos Moisés soube aproveitar “bem” a pandemia. Foto: Márcio Serafini/Secom/ND

A mu­dan­ça con­ce­de um tra­ta­men­to tri­bu­tá­rio di­fe­ren­ci­a­do aos recursos, trans­for­man­do­s em re­cei­tas não tri­bu­tá­ri­as, o que po­de ti­rar recursos da Saú­de e da Edu­ca­ção, que têm gas­tos mí­ni­mos de­fi­ni­dos de acor­do com a ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos.

O se­cre­tá­rio da Casa Ci­vil do Es­ta­do, Eron Gi­or­di­ni, dis­se que o mo­de­lo foi pro­pos­to pa­ra agi­li­zar o re­pas­se dos mu­ni­cí­pi­os e ne­gou o uso do me­ca­nis­mo pa­ra com­prar apoio po­lí­ti­co. Ele prometeu edi­tar uma por­ta­ria pa­ra exi­gir dos mu­ni­cí­pi­os a in­di­ca­ção dos va­lo­res e um pla­no de tra­ba­lho de­ta­lhan­do a des­ti­na­ção do re­cur­so no ca­so da se­gun­da me­di­da. Es­se con­tro­le, po­rém, não se­rá apli­ca­do no ca­so das emen­das par­la­men­ta­res.

“O go­ver­na­dor é mu­ni­ci­pa­lis­ta e ve­jo mui­to mais co­mo um in­cen­ti­vo a es­sa apro­xi­ma­ção com os mu­ni­cí­pi­os, atra­vés de um pro­ces­so de des­bu­ro­cra­ti­za­ção. Não tem ne­nhu­ma re­la­ção po­lí­ti­ca com o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment, de afas­ta­men­to ou de agra­do ao Par­la­men­to”, afir­mou Gi­or­di­ni.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...