Jorginho Mello diz que concessões de rodovias é solução para problemas em SC

Senador catarinense, Jorginho abordou a escassez de recursos com a PEC do Teto de Gastos e defende reformas antes de conceder as rodovias para gestão de empresas

O senador Jorginho Mello (PL) conversou com o jornalista do Grupo ND, Paulo Mueller, e destacou como anda as conversas com o governo federal para melhorias na infraestrutura e mobilidade de Santa Catarina.

Em Brasília, senador Jorginho Melo (PL) (esq.) recebe o repórter do Grupo ND, Paulo Mueller (dir.), para falar sobre a situação das rodovias federais de Santa Catarina – Foto: Warley Cabrak/NDTV/NDEm Brasília, senador Jorginho Melo (PL) (esq.) recebe o repórter do Grupo ND, Paulo Mueller (dir.), para falar sobre a situação das rodovias federais de Santa Catarina – Foto: Warley Cabrak/NDTV/ND

O parlamentar falou sobre a atuação da bancada catarinense, a escassez de recursos e as concessões de rodovias como solução para resolver os problemas estruturais dos corredores logísticos catarinenses. A conversa faz parte da série de entrevistas com lideranças políticas de Santa Catarina em Brasília

ND: Senador, qual é o seu compromisso com Santa Catarina quando se fala em rodovias federais?

Jorginho Mello: Meu compromisso é com Santa Catarina como um todo. É ferrovia, rodovia, porto. Ninguém mais tem brigado tanto como eu tenho para pedir junto com a bancada.

De forma pessoal, eu tenho brigado muito e pedido muito ao ministro da Infraestrutura Tarcísio [Gomes de Freitas] até pela amizade que tenho com o próprio presidente da República. Todas as nossas obras estão andando.

Isso é histórico! As lideranças que passaram e foram representantes de Santa Catarina já no passado sabem disso que o governo federal deve para o Estado. É histórico!

Nós precisamos cuidar cada vez mais, apressar todas as obras que estão andando, concluir essas obras e falar em ferrovia para tirar caminhão das BR´s.

ND: De forma prática, o que o senhor fará para que as obras das rodovias federais no Estado de fato sejam concluídas?

Jorginho Mello: Fazer o que eu sempre tenho feito. Cobrando, colocando dinheiro como já coloquei de minhas emendas individuais em BR´s de Santa Catarina. Nós vamos cobrar como sempre fizemos e não estamos agora inventando moda e nem a roda.

Sempre cobramos, estivemos firmes e fortes para reivindicar em favor de Santa Catarina porque nós fazemos o dever de casa e o governo federal tem que dar respaldo, retorno, resposta a isso.

A nossa produção e a nossa riqueza passam ainda pelas BR´s, não temos ferrovia em todo o estado, mais um projeto que precisamos cuidar. Então tem o compromisso de sempre do senador Jorginho.

ND: Há uma crítica de parte da sociedade e do setor produtivo da falta de união da bancada catarinense em Brasília. O que o senhor pensa sobre isso?

Jorginho Mello: Isso não é verdade porque o fórum catarinense faz rodízio, cada um fica um ano de coordenador. Eu já fui, o senador Esperidião Amin já foi, o senador Dário, todos. Agora é a deputada Angela Amin.

Guardamos as bandeiras políticas e todos nós, quando o assunto é Santa Catarina, todo mundo senta em volta de uma mesa e trabalha de forma coletiva, isso há muitos anos.

É um modelo que nós emprestamos para outros estados que nos copiaram. Então nossa união de todos os partidos, dos 16 deputados e três senadores é uma constante todo santo dia.

ND: Falta dinheiro para fazer obras nas rodovias federais de Santa Catarina?

Jorginho Mello: Com a emenda constitucional de 1995 – que criou o teto de gastos -, ficou tudo apertado dentro do orçamento. Então, a nossa luta na época do orçamento é gigantesca. Nós temos o senador Dário, que é presidente da comissão de infraestrutura e está terminando o mandato dele agora.

O deputado Chiodini é o presidente da comissão de infraestrutura na Câmara. Então, nós nunca tivemos duas lideranças destas coordenando essas duas comissões importantes.

Dinheiro falta para tudo, por isso que nós precisamos atuar de forma conjunta, como o fórum atua dando exemplo para conseguir aumentar, brigar e recompor.

A vida aqui é de sacrifício nós temos que correr atrás do orçamento, falar com o relator, o governo para tentar aumentar cada vez mais o nosso volume. Todas as obras estão andando e tem recursos.

Nem se começou a pensar em gastar o dinheiro que Santa Catarina disponibilizará porque tinha dinheiro na conta até o fim de 2021. Não foi usado um centavo do dinheiro que o governo cedeu, emprestou para aplicar nas obras federais em Santa Catarina.

ND: Em rodovias concessionadas, a manutenção e o cuidado é maior em comparação aquelas não pedagiadas. O que senhor pensa das concessões em rodovias federais?

Jorginho Mello: Eu penso que é um caminho sem volta e vai acontecer. Por isso nós precisamos dotar a BR-282 de melhores condições, fazer a terceira faixa em alguns lugares, a BR-470, por aí afora, a 280, para conseguirmos baratear o pedágio.

Se fizermos um pedágio, por exemplo, da BR-282 ou da BR-470, ele custará muito, R$ 16 ou R$ 20 e isso é muito dinheiro. Então o que precisa é trabalhar, investir, melhorar para que em um futuro próximo possa ser pedagiado, é o caminho.

Quando você entrega a uma concessionária ela tem compromisso de cuidar daquela estrada com responsabilidade. Não é inventar moda, é cumprir o que o Brasil e o mundo fazem.

Quer uma estrada boa, conservada, tem que pedagiar, o governo tem que ficar com orçamento cada vez mais escasso para cuidar da saúde, educação, segurança, outras áreas importantíssimas.

ND: Rodovias federais será a bandeira do senador?

Jorginho Mello: Sempre foi a minha bandeira e continuaremos firme e forte defendendo Santa Catarina e todas as nossas obras de infraestrutura que precisam ser apressadas e concluídas.

Abaixo-assinado SOS Rodovias

Lançado no fim de novembro, o abaixo-assinado integra a campanha SC Não Pode Parar, um movimento da Fiesc em parceria com o Grupo ND. A intenção é fazer desta mobilização a maior das rodovias federais em Santa Catarina. A adesão ao abaixo-assinado é gratuita.

Ao finalizar o preenchimento dos dados, a plataforma exibe um banner de contribuição que não é obrigatória. Portanto, é tudo de graça. Faça parte da campanha e ajude a exigir mudanças. Assine em www.sosbrs.com.br .

+

BR-101 – SC não pode parar

Loading...