João Paulo Messer

Política, economia, bastidores e tudo que envolve o cotidiano e impacta na vida do cidadão de Criciúma e região.


Leonel Pavan: “Sou de terceira via, mas se for contra o Lula sou qualquer um”

Ex-governador diz que aproximação de FHC a Lula deve ser respeitada, mas que não significa tendência tucana.

Dizendo-se “anti-Lula”, Leonel Pavan (PSDB) reagiu com naturalidade à recente cena em que o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso aparece apertando a mão do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva. A cena que provocou reação de vários tucanos não gerou o mesmo sentimento no líder político que reside em Balneário Camboriú. A declaração dele foi me dada ao responder uma provocação a respeito do assunto.

Leonel Pavan diz que respeita posição de FHC, mas que só a convenção decide PSDB movimentos do partido. – Foto: DivulgaçãoLeonel Pavan diz que respeita posição de FHC, mas que só a convenção decide PSDB movimentos do partido. – Foto: Divulgação

Pavan diz que recebe o gesto de FHC com respeito e lembra que ela foi pessoal, pois só a convenção do partido pode dar a alguém as credenciais a fazer tal defesa em nome da sigla. Mais do que respeitar, diz que entende a reação do ex-presidente. Cita para isso o fato de que na última eleição o PSDB esteve com Bolsonaro no segundo turno da eleição, mas que mesmo assim o presidente, sempre que pode, agride líderes tucanos. Revela ai uma certa mágoa com o presidente.

“FHC é um filiado e não o dono do partido. Tenho que respeitá-lo, mas ele não vai influenciar o meu voto”, diz Pavan, que defende uma terceira via sugerindo o ex-governador cearense e ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) candidato à presidência.

“Se no segundo turno da eleição passada estivemos com o Bolsonaro é porque somos anti-PT”, recorda. E vai além, diz que a única chance de votar em Bolsonaro é a disputa ser com Lula. E neste caso diz que se entrega de corpo e alma para combater o candidato petista.

Diz entender perfeitamente o posicionamento de FHC, pois só o que se vê são agressões de Bolsonaro a tucanos como o governador paulista João Dória Júnior, outros governadores e prefeitos. Analisa que este radicalismo do presidente atrai todo o tipo de rejeição.

Uma outra leitura que Pavan faz é de que uma terceira via pode favorecer Bolsonaro, pois a tendência é de que esta apoie o atual presidente se a disputa for contra Lula, por exemplo.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...