Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Moisés se referia à Alcatraz e Hemorragia quando falou em roubalheira, não Ada e Leandro

Deputada já foi procurada para ouvir esclarecimentos; oficialmente, nenhum dos envolvidos no ruidoso episódio quis se manifestar

Em público, o silêncio impera entre os envolvidos no ruidoso episódio “roubalheira”, protagonizado pelo governador Carlos Moisés (sem partido) e tendo como coadjuvantes os ex-governadores de Raimundo Colombo (PSD) e Eduardo Pinho Moreira (MDB), além da deputada estadual Ada de Luca (MDB) e do secretário de Administração Prisional, Leandro Lima.

Ada de Luca bate palmas para Moisés, que cumprimenta prefeito Clésio Salvaro, de Criciúma, acompanhado por chefe da Casa Civil, Eron Giordani, e líder do governo, José Milton Scheffer – Foto: Mauricio Vieira/Divulgação/NDAda de Luca bate palmas para Moisés, que cumprimenta prefeito Clésio Salvaro, de Criciúma, acompanhado por chefe da Casa Civil, Eron Giordani, e líder do governo, José Milton Scheffer – Foto: Mauricio Vieira/Divulgação/ND

O governador Carlos Moisés não comentará os desdobramentos da própria declaração.

Fontes próximas disseram que Moisés se referiu aos fatos apurados pelos órgãos de controle que, em momento algum, colocam sob suspeita os nomes de Ada de Luca e Leandro Lima.

Esses fatos seriam as operações Alcatraz e Hemorragia.

Em momentos anteriores, o governador informou que “economizou R$ 645 milhões com revisão de contratos, enxugamento da máquina e digitalização de processos” e que “os recursos estão sendo investidos em obras e serviços para os catarinenses”.

Obras desengavetadas

É o caso de Criciúma, onde foi feita a fala polêmica. No local, foi assinada a liberação de recursos para a pavimentação do acesso à Penitenciária Sul, que ainda não foi concluída, mais de uma década depois da entrega do presídio.

Na época, Ada de Luca era a secretária de Justiça e Cidadania e Leandro Lima seu adjunto.

Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND
1 3
Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND
Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND
2 3
Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND
Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND
3 3
Estrada de terra até o presídio - Mauricio Vieira/Divulgação/ND

Ada foi procurada para esclarecimentos

Também conforme fontes do Palácio da Agronômica, a deputada Ada de Luca foi procurada pela manhã pelo secretário de Estado da Secretaria-Geral de Governo, Márcio Ferreira, para esclarecimentos.

Nesta manhã, a pedido do ND, a assessoria de comunicação não conseguiu localizar a deputada Ada. Informou que a parlamentar daria expediente à tarde.

CONTRAPONTOS

  • O ex-governador Raimundo Colombo deve se manifestar nas próximas horas.
  • O ex-governador Eduardo Moreira e o secretário Leandro Lima foram localizados por meio das respectivas assessorias, mas ainda não responderam.

Participe do grupo e receba as principais notícias
das Eleições 2022 na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...