Sabrina Aguiar

sabrina.aguiar@ndtv.com.br Coluna sobre os assuntos de Joinville e região. A economia, segurança pública, política e todos outros fatos por quem vive e pensa sobre as cidades.


Presidência da Comissão de Saúde motiva nota de repúdio

Foi a polêmica dessa semana e partido questiona os critérios usados para definir no legislativo joinvilense e o presidente escolhido se pronuncia

Primeiro foi um pronunciamento informal, agora uma nota de repúdio. O vereador Cassiano Ucker (CIDADANIA) questionou a definição para a presidência da Comissão de Saúde na Câmara de Vereadores de Joinville. A indignação originou uma nota do partido sobre o nome do vereador Willian Tonezi (PATRIOTA).

O documento questiona a capacitação técnica para definir o nome para estar a frente numa comissão que demanda conhecimento principalmente pelo momento que ainda atravessamos da pandemia:

Nota do partido referente comissão de saúde. – Foto: DivulgaçãoNota do partido referente comissão de saúde. – Foto: Divulgação

Diante do teor da nota, o presidente definido para a comissão respondeu a nota:

“Eu repudio veementemente esse pensamento elitista, um verdadeiro ranço que vem da última gestão da cidade, que por seus cargos e títulos, na sua completa arrogância, tal qual está nas crônicas de George Orwell, se arroga no direito de estar acima dos outros para querer ditar o que a população deve ou não fazer. Só o fato do Vereador Cassiano ser um apoiador de agendas progressistas e eugenistas da ONU 2030, já é mais que suficiente para que o meu eleitor fique extremamente satisfeito por eu estar na presidência e ele não. Partido do mesmo pressuposto dos que pensam como ele, poderíamos afirmar que por ele ser médico não poderia ser vereador porque dentro da Câmara o principal objeto de nossos trabalho e comissões são leis e não pacientes? Dentro da câmara somos todos vereadores, e este “esperneio” do Vereador Cassiano e seus apoiadores para mim é apenas choro de quem não sabe perder. Cada área tem sua particularidade, no jornalismo por exemplo, quantas pessoas atuam ou atuaram na área sem terem formação ou estarem formados, isso não os impediu de fazerem um bom trabalho”.

A comissão de saúde é formada por três vereadores membros: Além de Cassiano Ucker (CIDADANIA), Wilian Tonezi (PATRIOTA) e Brandel Junior (PODEMOS) Os dois últimos votaram em Tonezi para a presidência.

Wilian Tonezi (Patriota) fez um discurso conservador, de acordo com as suas propostas durante a campanha.
1 2
Wilian Tonezi (Patriota) fez um discurso conservador, de acordo com as suas propostas durante a campanha. "É preciso que a liberdade seja a grande força motriz, não podemos tolerar o atentados à liberdade, estarei sempre a postos pra defendê-la. Não podemos defender tiranias sanitárias em nome da saúde. A educação deve voltar a ser o berço do conhecimento e não da militância" - André Kopsch/ND
Cassiano Ucker (Cidadania) usou a palavra para agradecer.
2 2
Cassiano Ucker (Cidadania) usou a palavra para agradecer. "Não há palavras capazes de expressar o que se passa no meu coração por fazer parte do Legislativo da maior cidade catarinense. Eu amo Joinville, sou filho desse chão e tenho oportunidade de retribuir a Joinville tudo o que recebi em 41 anos", afirmou - André Kopsch/ND

O impasse começou depois do primeiro discurso ainda na sessão de segunda, (17), a primeira de 2022. Como presidente da comissão de saúde, o parlamentar trouxe à tribuna discussão sobre eficácia da vacina e seu caráter experimental.

Em Joinville, a secretaria municipal de saúde cita dados de janeiro de 2021 e 2022 sobre o efeito da vacina.

Nos 20 primeiros dias de 2021, quando ainda não havia vacinação, morreram 81 pessoas de Covid-19. No mesmo período de 2022, com vacinação, morreram 13. Uma queda na taxa de mortalidade de 84%.

Outro dado, a média em janeiro de 2021 era de 271 leitos ocupados com confirmados. Em 2022, com vacinação, a média é de 50 leitos ocupados com confirmados, uma queda na ocupação de leitos de 182%. Fatos que para o município são diretamente ligados as doses de vacinas aplicadas na população de Joinville.

A primeira reunião definiu um tema importante: uma audiência pública a ser realizada dia 7 de fevereiro 19h30 para debater projeto que quer proibir o passaporte de vacinação em Joinville. O autor é o presidente Wilian Tonezi.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...