Raul Sartori

Notícias de fatos e pessoas, preferencialmente de SC, em primeira mão, sempre que possível.


Moisés: “Eu sabia que ao revisar contratos de terceiros com o Governo iríamos incomodar”

“Eu sabia que ao revisar contratos de terceiros com o Governo iríamos incomodar aqueles que se beneficiaram disso ao longo do tempo", tuitou o governador

Carlos Moisés tuitou, ontem, para dizer: “Eu sabia que ao revisar contratos de terceiros com o Governo iríamos incomodar aqueles que se beneficiaram disso ao longo do tempo. Afinal, é dinheiro público que deixa de ser usado para abastecer esquemas de corrupção que estavam consolidados nas estruturas de Estado”.

Às claras

Espera-se, mais cedo ou mais tarde, a verdade verdadeira, não a que está sendo dita publicamente, sobre os motivos que levaram cinco dos seis deputados estaduais do PSL a empurrar o governador Carlos Moisés, do mesmo partido, para o impeachment. Ali não há anjos.

Particularidades

 As Assembleias Legislativas do Rio de Janeiro e SC disputam o título de primeira a afastar um governador do cargo por impeachment desde a redemocratização no País, no caso Wilson Witzel (PSC) e Carlos Moisés (PSL), que tem muito em comum: são neófitos na política, eleitos em candidaturas surpresas, ligados a um discurso que rejeita a distribuição de poder a aliados para formar coalizões de governo estáveis, e atingidos por denúncias de malfeitos na área da saúde em meio à pandemia. O cientista político da UFSC Luiz Felipe Guedes da Graça, em artigo para o “Estadão”, diz que as duas Casas têm se apresentado fortes e unidas nesses embates: “Entenderam que, nas democracias, governar é construir coalizões que incluam a maioria dos atores democraticamente eleitos. Afinal, os votos de um governador não se sobrepõem em valor aos votos dados ao conjunto de deputados estaduais. A sorte dos governadores pode estar no fato de que o rito de impeachment nas Assembleias envolve desembargadores dos Tribunais de Justiça”. É, faz sentido.

Mecenato

Foi publicado sexta-feira o decreto estadual 846, que regulamenta o mecenato em SC, uma versão catarinense da Lei Rouanet. Empresas localizadas no Estado poderão doar parte (0,5%) do imposto devido do ICMS para projetos culturais aprovados pela Fundação Catarinense de Cultura. Serão R$ 75 milhões por ano. As normas serão definidas em outro decreto, que deve ser publicado nos próximos dias. Viva!

Telhado de cristal

O notório presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que ainda tem a simpatia da maioria dos 16 deputados federais de SC, viu na visita de Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, uma “afronta às nossas tradições”. E o que é sua compulsiva busca pela reeleição, impedida pela Constituição?

Neorruralismo

Corretores de imóveis nos municípios de Águas Mornas, Rancho Queimado, Bom Retiro e Urubici  vem notando uma mudança importante nas buscas por compras.  Desde o início da pandemia, em março, eles tem sido procurados por interessados, principalmente  profissionais liberais de Florianópolis, em comprar imóveis de áreas rurais próximas ao centro urbano de tais cidades. A quase totalidade pensando na viabilidade de trabalhar em casa e ter algo sustentável.  Um mestre da UFSC está fazendo um estudo.

Trabalhar em casa

O Ministério Público Federal em SC, que na última sexta-feira retomou gradualmente as atividades presenciais, também registra que desde 17 de março, quando todos os seus setores passaram a atender em teletrabalho, constatou um aumento da produtividade judicial e extrajudicial de 18.6% e 12,1%, respectivamente, até o final de agosto em comparação ao mesmo período do ano passado.

Jornada menor

Amparada na legislação estadual, na Constituição e na Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, uma professora de rede pública de Florianópolis conseguiu, judicialmente, reduzir sua carga horária em 50%, sem perda de vencimentos e incialmente por um ano, para poder se dedicar ao filho, que tem transtorno do espectro autista. Seu direito vinha sendo sistematicamente negado.

Privilégios

Que tenha boa sorte o deputado federal Tiago Mitraud (Novo-MG), relator do projeto de reforma administrativa enviada ao Congresso. Promete emenda propondo que membros de Poderes e atuais servidores públicos não recebam mais alguns benefícios que já podem ser eliminados para os que ingressarem na carreira após a mudança na legislação. Na reforma enviada pelo governo, são listados 10  que seriam eliminados, como férias superiores a 30 dias, redução de jornada sem redução de remuneração, promoção baseada apenas no tempo de serviço e licença-prêmio.  A lamentar, sempre, que não alcança os servidores atuais nem os membros de Poderes como parlamentares, magistrados e procuradores, premiados com odiosos privilégios, formando verdadeiras castas.