Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


Vacinar não pode ser uma imposição

Presidente do TST, Cristina Peduzzi, declarou que é inconstitucional a determinação do Ministério Público do Trabalho

A presidente do TST, Cristina Peduzzi, declarou que é inconstitucional a determinação do Ministério Público do Trabalho de demitir por justa causa o empregado que não se propor a vacinar. E não se trata exclusivamente de inconstitucional, mas de uma atitude totalitária.

O Ministério Público do Trabalho decidiu interferir diretamente nas leis trabalhistas como legislador. Passou a ocupar o lugar do Congresso e agir de forma autoritária e ilegal. O que se percebe na verdade e uma maneira de criar conflitos onde não existem, visando embates políticos atendendo de repente interesses ideológicos internos.

Deveriam se deter as suas atividades específicas que são importantes e fundamentais e não construir atritos agindo como ativistas. Infelizmente, o STF vem proporcionando péssimos exemplos, onde de repente todos estão achando que têm poderes de impor leis e regras transformando o país num paraíso da insegurança jurídica. Como costumam dizer popularmente, cada um no seu quadrado, mas somando forças e não dividindo.

Essas atitudes acabam gerando mais confusão, até porque a importância da vacina não está na imposição, mas no convencimento, no argumento e na comprovação da segurança e da eficiência. Na Inglaterra houve pressão contra a vacina de Oxford, bastou a Rainha e o Príncipe Fillipe se vacinarem, para uma mudança de opinião. Convencer, não impor e muito menos ameaçar….