Vereadoras, abstenção e recorde: curiosidades das eleições em Florianópolis

Cinco vereadoras, votação e crescimento expressivo de Gean, recorde de abstenções. O pleito de 2020 ocupa lugar único na história das eleições em Florianópolis

Na história das eleições em Florianópolis, o pleito de 2020 tem particularidades que vão além do contexto pandêmico de Covid-19. O ND+ separou alguns números que mostram como estas eleições foram únicas na Capital catarinense.

Urna eletrônicaCerca de 100 mil eleitores de Florianópolis se abstiveram de votar nessas eleições.  – Foto: Anderson Coelho/ND

Sem segundo turno

Gean Loureiro (DEM)  foi eleito em primeiro turno, após 16 anos sem um resultado similar. Desde as eleições de 2004 que os moradores de Florianópolis estavam acostumados a ir à urna duas vezes no mês eleitoral.

A última prefeita eleita em primeiro turno foi Ângela Amin, com 55,76% dos votos, na eleição de 2000. Desta vez, a candidata do PP (Progressistas) ficou em terceiro lugar, com 8% dos votos. Em segundo lugar ficou Elson (PSOL), com 17% das intenções de votos.

Cinco mulheres vereadoras

Pela primeira vez na história da Câmara da Capital, cinco mulheres foram eleitas vereadoras neste domingo (15). Manu Vieira (Novo) foi a candidata mais votada entre as mulheres, recebendo 3.522 votos.

Ela foi a quarta vereadora mais votada de Florianópolis — ficando atrás apenas de Marquito (PSOL), Josimar Pereira “Mama” (DEM) e Gabrielzinho (Podemos). Também foram eleitas vereadoras Carla Ayres (PT), Pri Fernandes (Podemos), Maryanne Mattos (PL), e o coletiva Bem Viver (PSOL), que reúne cinco candidatas mulheres.

Soma de votos histórica

No pleito que reelegeu o atual prefeito Gean Loureiro, o candidato do DEM (Democratas) recebeu cerca de 126 mil votos. Comparando a outras eleições, a soma só não foi maior do que aquela recebida por Dário Berger (PMDB) no segundo turno das eleições de 2008.

Disputando com o candidato Esperidião Amin, na ocasião Berger recebeu quase 130 mil votos, contra 95 mil do candidato do PP. Já no primeiro turno, quando concorreram sete candidatos, Berger teve 94 mil votos, contra quase 60 mil de Amin.

Abstenção expressiva

Simultaneamente, a Capital catarinense também registrou um recorde de abstenções. Há mais de três décadas tantos eleitores não deixavam de votar em Florianópolis. Foram pouco mais de 100 mil eleitores, sendo que a Capital conta com 356 mil pessoas aptas a votar.

Nos primeiros turnos de 2008, 2012 e 2016, as abstenções atingiram 15,78%, 17,94% e 12,25%, respectivamente. Em 2020, foram 28,5% dos eleitores que decidiram não votar. Taxas semelhantes foram registradas nacionalmente, em mais de dez Capitais.

Para o TRE (Tribunal Regional Eleitoral), a causa foi a pandemia. O ministro Luis Roberto Barroso esperava que cerca de 30% das pessoas não votassem. Mas há especialistas argumentando que as pessoas se aproveitaram das facilidades, como a possibilidade de justificar voto online, para ficar em casa.

Crescimento de Gean

O crescimento de novos votos recebidos por Loureiro, comparando as eleições de 2016 e 2020, foi de cerca de 14 mil. No segundo turno das eleições de 2016, o atual prefeito recebeu quase 112 mil votos, contra os 111 mil recebidos por Ângela Amin (PP).

Gean conquistou mais eleitores entre 2016 e 2020, do que entre 2012 e 2016, quando ampliou o total de votos em 11.943. Confira abaixo o histórico das últimas eleições:

    • Resultado eleições 2012 – 2º turno
      Cesar Souza – 117.834 – 52,64%
      Gean – 106.013 – 47,36%
    • Resultado eleições 2008 – 2º turno
      Dario Berger – 129.969 – 57,68%
      Esperidião Amin – 95.369 – 42,32%
    • Resultado eleições 2004 – 2º turno
      Dario Berger – 118.644 – 58,47%
      Chico Assis – 84.278 – 41,53%
    • Resultado eleições 2000 – 1º turno
      Angela Amin – 105.495 – 55,76%
    • Resultado eleições 1996 – 1º turno
      Angela – 87.856 – 53,84%
      Afranio Boppré – 75.320 – 46,16%

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Política SC