A alternativa PSB

Presidente Paulo Bornhausen projeta uma campanha de consolidação da sigla, critica alguns atos do PMDB, mas reforça que situação em Joinville, onde Rodrigo Coelho é o vice, tende a ser favorável ao apoio a Udo Döhler

Os números do PSB na eleição de outubro são 54 pré-candidatos a prefeito e 26 a vice, mas o salto seria dos atuais 172 diretórios instalados para 220 até pouco antes da eleição. Na matemática, o partido comandado pelo ex-deputado Paulo Bornhausen conseguiu um crescimento importante. Nas composições, aguarda o início de abril para fechara a intenção expressa junto a PSD e PR de compor a maior aliança estadual para a disputa, depois de avaliar como ficou o quadro depois da janela de troca de partidos, de fevereiro a março, e das filiações em abril, componentes da reforma política meia-sola aprovada pelo Congresso. 

Bornhausen não esconde a mágoa com algumas ações do PMDB, principalmente em Itajaí, para onde trocou o domicílio eleitoral e é nome dado como certo na eleição á prefeitura, embora negue por enquanto. A comparação é inevitável: o presidente do PSB lembra da questão específica em Joinville, local em que uma questão interna do PMDB empurrava o prefeito Udo Döhler para fora da sigla e os pessebistas, com o vice-prefeito Rodrigo Coelho e uma ação da direção estadual, ajudaram a consolidar a posição, mas a reação provocou o lançamento da pré-candidatura de Volnei Morastoni, vindo do PT e ex-prefeito itajaiense, no vácuo das pretensões de Bornhausen.

Mas o ex-deputado que lutou pela extinção da CPMF no Congresso Nacional, tema mais atual do que nunca, garante não ter particularizado ou fulanizado suas críticas. Não impõe vetos às coligações e vê uma cenário difícil para todas as siglas, seja pela falta de financiamento empresarial de campanha ou pelo tempo menor, 45 dias, 35 deles de horário de rádio e TV, para os candidatos convencerem os eleitores.

ELIANE RAMOS/DIVULGAÇÃO/ND

Paulo Bornhausen entre Rodrigo Coelho e Patrício Destro, na Assembleia: manutenção do apoio a Udo Döhler depende do partido no maior colégio eleitoral catarinense

A QUESTÃO JOINVILLE

No gabinete do deputado Patrício Destro na Assembleia, o presidente estadual do PSB Paulo Bornhausen reuniu-se com o vice-prefeito Rodrigo Coelho e com  o parlamentar. O assunto era a eleição em Joinville. Bornhausen garantiu que a sinalização é em direção a apoiar Udo Döhler, com Coelho de vice, uma manutenção da aliança que depende do partido no maior colégio eleitoral. Mas a pergunta do presidente ecoa no ar: “Qual é a boa vontade que o PMDB tem com o PSB?”     

Dilma 1 x 0 Cunha

A vitória do deputado Leonardo Picciani, reconduzido à liderança do PMDB na Câmara, por 37 votos a 30, mais dois em branco, não representa outra coisa senão a supremacia da estratégia do Palácio do Planalto, leia-se Dilma Rousseff, contra um Eduardo Cunha, que, de quebra, ainda saiu cabisbaixo da escolha. Só não foi um dia para esquecer do chamuscado presidente da Câmara porque mais uma manobra, no Conselho de Ética, adiou a análise do pedido de vista coletivo adiou para a semana que vem a abertura de processo de cassação contra o deputado fluminense, que não se considera derrotado com a escolha de Picciani. Então tá!

Reação ruim

Mesmo que a votação seja secreta, a bancada do PMDB catarinense teria dado cinco votos para Hugo Motta (PB) e um apenas para Leonardo Picciani (RJ), prova de que os ânimos que já estavam exaltados na reunião dos parlamentares, antes da eleição do líder, não terminarão por ora. No meio das discussões, velhas rivalidades entre Valdir Colatto, favorável a Motta, e o dissidente Celso Maldaner, que apoiou, desde sempre, Picciani, embalado, afirmam seus críticos, por algo em torno de R$ 60 milhões em emendas empenhadas no final do ano passado, coisa rara em tempos de corte e contenção de despesas pelo Planalto.

Conclusão

Picciani deverá indicar os oito representantes do partido na comissão especial que analisará o pedido de abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Pela proporcionalidade, deveria indicar cinco e os que defendiam Motta os outros três.  

“Perde o PMDB, que queria uma independência maior do governo, e muito mais o Brasil.”

Rogério Peninha Mendonça, deputado federal, sobre a reeleição de Leonardo Picciani para a liderança da bancada peemedebista na Câmara.

DIVULGAÇÃO/ND

Claque de “insetos” que criticavam a presença do ministro licenciado da saúde na votação do líder do PMDB na Câmara não rendeu efeito na escolha 

MOSQUITOS POLITIZADOS

Grupo que protagonizou um protesto contra o deputado Marcelo Castro, ministro licenciado da Saúde, que voltou à Câmara para votar em Leonardo Picciani foi implacável na picardia à Aedes Aegypti. Castro saiu desgastado no processo, deu a nítida impressão para os colegas de partido que foi votar a contragosto, sem contar que ganhou a pecha de não ter pensado ou condição para isso aos respaldar o candidato do Planalto.

Rodovias

Um grupo de trabalho estuda a criação de um fundo para manutenção das rodovias estaduais, que deverá ser composto, entre outras fontes, por parte dos recursos provenientes da arrecadação de multas e do licenciamento de veículos, sem descartar a utilização dos recursos de pedágios com menor valor. A informação foi passada pelo secretário Nelson Serpa (Casa Civil) ao deputado Valdir Cobalchini (PMDB), um defensor da ideia desde os tempos em que era secretário da Infraestrutura.   

Online

A partir do dia 23, semana que vem, os catarinenses poderão interagir com o governo do Estado no acompanhamento de obras do Pacto por Santa Catarina ou participar de discussões ou fazer comentários sobre os projetos. No endereço http://painelsc.sc.gov.br/, o secretário Murilo Flores (Planejamento) explica que o cidadão poderá tirar suas dúvidas e, colaborativamente, acompanhar os investimentos realizados e previstos na região.

* Depois de participar de várias solenidades, uma delas a abertura da colheita da maçã, em Fraiburgo, o governador Raimundo Colombo segue hoje para Brasília, onde dxecidirá se entra ou não com a ação no Supremo Tribunal Federal pela Selic acumulada como indexador da dívida do estados com a União.  

* Plenário da Assembleia recebe hoje, às 19h, sessão especial em comemoração e lançamento dos 250 anos da Procissão do Senhor dos Passos, inciativa da mesa da casa a pedido do deputado João Amin (PP).

* Sem decisão sobre a disputa em Joinville, o petista Carlito Merss passou pela Assembleia, nesta quarta, e reforçou o discurso em defesa de Lula e do PT.

Loading...