A troca de sigla agita bastidores

Na Câmara dos Deputados ou na Assembleia o assunto, provocado pela janela que permite filiações sem a perda dos mandatos, está cercado de boatos e confirmações de saída

Ao ser perguntado, ontem, se participaria de uma reunião com o presidente nacional do PDT Carlos Lupi, o deputado federal Mauro Mariani, presidente estadual do PMDB, e o senador Dário Berger (PMDB), em Brasília, o deputado federal Décio Lima (PT) respondeu: “Em qual endereço, pois eu não fui convidado”. A reação de Décio põe um basta a uma série de especulações sobre a saída dele do Partido dos Trabalhadores, e, por ora, de sua filiação às hostes brizolistas, embora o parlamentar admita que já foi convidado também por outras siglas.

O que ocorre com Décio é comum, inclui a mulher dele, a deputada estadual Ana Paula Lima (PT), que também nega a saída, e se alastra pelos colegas de partido, Padre Pedro Baldissera e Neodi Saretta, esses últimos mais enigmáticos. Os rumores ganham força em tempos de janela casuística criada pela reforma política meia-boca, aprovada pelo Congresso, e denúncias de corrupção que envolvem líderes da sigla de Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Enquanto há quem garanta que não haverá desmonte na bancada petista na Câmara dos Deputados e na Assembleia, o deputado Maurício Eskudlark fez a última participação no almoço da bancada do PSD, nesta terça, de malas prontas para seguir rumos políticos no PR sob o argumento de que perderá espaço na sigla com eventuais projetos de retorno de João Rodrigues e Cesar Souza, atuais deputados federais, ao Legislativo estadual. É a segunda troca de partido de Eskudlark, em duas legislaturas, que já foi do PSDB. O Partido da República, hoje com duas cadeiras, deverá ter três deputados em plenário, já que mesmo que Mário Marcondes confirme a ida para o PSDB ou PPS, o deputado Ricardo Guidi, hoje no PPS, deverá aceitar o convite do presidente estadual Jorginho Mello e ingressar no partido que já possui Natalino Lázari firme no quesito fidelidade.

ROBERTO AZEVEDO/ND

O petista José Fritsch acena para o colega Padre Pedro Baldissera, na mesa que comanda os trabalhos na Assembleia, para conversar sobre futuro

UMA PALAVRINHA, PADRE!

O ex-deputado, ex-prefeito e ex-presidente estadual petista José Fritsch fazia mímicas e gestos ao lado do plenário da Assembleia, na sessão desta terça-feira, em direção ao ainda colega de PT, Padre Pedro Baldissera, que presidia os trabalhos da casa. Recebeu um positivo de Baldissera, que já sabia o teor da visita. Fritsch já havia conversado com outro na lista de apostas, Neodi Saretta, sobre a permanência no PT, e trazia ao padre-deputado informações das conversas que colheu em inúmeros contatos no Oeste catarinense, base dos parlamentares que são centro de boatos, de onde vêm relatos negativos a qualquer alteração de endereço partidário.

“Isso (a troca) não existe, não se faz uma guinada assim, eu preciso de uma causa.”

Décio Lima, deputado federal (PT), aos desmentir a ida para o PDT ou qualquer outra sigla.

Apoio à tese

Secretário Antonio Gavazzoni (Fazenda) ligou para o colega Giovani Feltes, do Rio de Grande do Sul, para parabenizar e agradecer aos gaúchos que também entraram com ação no Supremo que questiona a cobrança de juros sobre juros da dívida com a União, que passou a ser denominada de “Tese de SC”. A expectativa é que a Presidência da República envie explicações ao STF, nesta quarta, sobre a metodologia usada nos novos cálculos da dívida dos estados, onde ignora a decisão do Congresso pela Selic Acumulada e aplica a Selic Capitalizada, que aumenta o montante.       

Da polêmica ao fato

Os juristas ainda reclamam da decisão do STF e a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça confirmou a condenação aplicada pelo Tribunal do Júri, em Balneário Piçarras, e mandou cumprir a prisão de um réu aguardava recurso no 2º grau de jurisdição em liberdade. O posicionamento é inédito mandou cumprir a pena por não haver mais discussão do mérito, com base nas provas, mesmo antes de recurso aos tribunais superiores.

Duas em uma

A nota Alô, Dengue! provocou resposta da prefeitura que negou o abandono da piscina na Passarela Nego Quirido e informou que a água no local passa por tratamento de cloro, com visitas de equipes da Secretaria municipal da Saúde a cada 15 dias, não há focos do mosquito Aedes Aegypti, e que Florianópolis é a única Capital do país que ainda não registrou transmissão em seu território. Já a Liga das Escolas de Samba (Liesf) informou que, até amanhã, todas as alegorias serão retiradas do estacionamento do CentroSul, dentro do prazo estabelecido em contrato, porque, este ano, houve aumento do número de escolas para 17 agremiações. Vamos acompanhar.     

* Ministro Antonio Carlos Rodrigues, dos Transportes, que deu a informação da licitação para o alargamento da Via Expressa, BR-282, nos cinco quilômetros no acesso a São José e Florianópolis, via BR-101, ouviu tantos pedidos dos catarinenses que estiveram em audiência, ontem, em Brasília, que deve ter saído zonzo.

* Antonio Carlos Rodrigues sentiu, ao mesmo tempo, a indignação dos parlamentares, que pediram também um novo projeto para a BR-282, na região Oeste, e rapidez no processo de duplicação da BR-470, que segue, se é que se pode dizer isso, a passos lentos.

* Texto dos programetes do PMDB nacional na TV é de quem questiona o governo do qual é signatário junto com o PT ou a aliança só vale quando as coisas estão bem e a distribuição de cargos é farta.      

* Deputado mais antigo e com mais mandatos, coube ao peemedebista Manoel Mota presidir a instalação de três comissões (Trabalho, Administração e Serviço Público; Agricultura e Política Rural; e Legislação Participativa), das quais faz parte, mas o tetra virá hoje com mais um na Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano.

Loading...