Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Após protesto, Fazenda abre negociação com servidores da Ceasa, Cidasc e Epagri

Funcionalismo aceita até mesmo parcelar a reposição de 1,6%, referente à inflação

O protesto de servidores da Ceasa, Cidasc e Epagri, na sexta-feira, em frente ao Centro Administrativo, surtiu efeito. Representantes da categoria foram recebidos pelo conselheiro de Política Financeira da Secretaria da Fazenda, Márcio Cassol Carvalho (à esq.). Conforme o diretor-presidente do Seagro-SC (Sindicato dos Engenheiros Agrônomos), Eduardo Medeiros Piazera (à dir. de Cassol), o funcionalismo aceita até mesmo parcelar a reposição de 1,6%, referente à inflação. Conforme Piazera, Cassol foi cordial e prometeu levar o assunto ao secretário da Fazenda Paulo Eli. O prazo para uma contraproposta é terça-feira, véspera de uma assembleia geral da categoria, que pretende desembarcar entre 500 e 700 servidores na frente da sede do governo, caso a negociação emperre.

Referência

No mesmo dia do protesto dos servidores das empresas públicas da agricultura, circulou nos bastidores políticos uma lista com os salários dos integrantes da diretoria do Seagro-SC. São valores entre R$ 9 mil e R$ 22 mil. As informações estão no Portal da Transparência do Executivo. O presidente do Seagro admite que os valores são expressivos, mas justifica. A Epagri tem mais de 100 doutores, alguns até pós-doutores, profissionais altamente qualificados que ganhariam o dobro ou mais na iniciativa privada ou em universidades. Eduardo Piazera cita como exemplo o desenvolvimento dos vinhos de altitude em Santa Catarina, que partiram de um projeto de excelência desenvolvido pela Epagri.

Reunião na Fazenda - Divulgação/ND
Reunião na Fazenda – Divulgação/ND

Loading...