Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


CPI ajudaria ou atrapalharia?

Fernando Mendes/ND

Situação delicada

Desde o dia 3 de abril está em vigor a lei que determina uma nova política de mobilidade urbana estabelecendo diretrizes para que cada cidade determine, dentro de sua realidade, sistemas eficazes de tráfego. Uma forma de contribuir para o desenvolvimento urbano. Foi o que lembrou ontem da tribuna o deputado Carlos Chiodini. Um dos pontos da lei prioriza o transporte coletivo colocando em plano secundário os veículos individuais. Enquanto isso, a frota de automóveis praticamente triplica no país antecipando-se para o caos nas ruas. O deputado Chiodini tem razão quando afirma que apenas a lei não será suficiente, pois são necessárias várias ações de comportamento, educação e quebra de conceitos. Deixar o carro na garagem para pegar um ônibus vai exigir uma revolução de hábitos que se tornaram enraizados de individualidade latente. O presidente da Comissão de Transportes da Assembleia, Valmir Comin, também se manifestou sobre acessibilidade e mobilidade focado na região metropolitana da Grande Florianópolis. Na sua avaliação as mudanças obrigatórias e necessárias precisam ser capitaneadas pelo Estado, com parcerias do setor privado, e principalmente, dando segurança jurídica nas questões ambientais. Ou seja, um tema presente e ainda na formatação do discurso.

Opinião

CPI tem um ingrediente político. Tanto que as manifestações favoráveis partiram de parlamentares de oposição. Seria o caso de uma Comissão de Investigação para tratar sobre um tema que exigiria isso sim a união de interesse na cobrança de ações do governo? De repente se perderia no jogo político enquanto a sociedade aguarda soluções e não malabarismos eleitorais. Não digo que isso seja o caso. Mas uma CPI, não tirando sua devido importância, acaba percorrendo esse caminho. A Comissão de Segurança Pública da Assembleia está realizando audiências públicas em vários municípios do Estado. Esta semana está no Oeste. Esta fazendo uma radiografia da insegurança. Um trabalho fundamental onde a cobrança certamente terá o apoio da sociedade e da imprensa. CPI pode virar palco de ataques e contra-ataques minados por acusações sem efeitos práticos. O ideal é o Parlamento convidar delegados e autoridades de segurança para buscar soluções e não proporcionar a oportunidade de embates. A intenção não é evoluir e melhorar? Então…

Apostas

Tudo indica que pela primeira vez Blumenau irá às urnas duas vezes em outubro para escolher o sucessor de João Paulo Kleinübing, que na eleição passada venceu Décio Lima no primeiro turno. O candidato do PSD, Jean Kuhlmann reconhece que será uma campanha acirrada, mas aposta da administração de Kleinübing que passou a ter uma avaliação positiva por parte da população devido às realizações. Em relação ao PT, acredita que enfrentará a deputada Ana Paula Lima, mas não descarta a possibilidade de Décio Lima entrar no páreo.

É fato 

Comentário do presidente do Badesc, Nelson Santiago, sobre a eleição em Joinville: “A pré-eleição em Joinville de repente será muito mais emocionante e intrigante do que a campanha.” Referia-se, quem sabe, as movimentações de bastidor pela confirmação de certas coligações e candidaturas.

Manifestação

O corregedor-geral de Justiça, desembargador Vanderlei Romer, defendeu a iniciativa, onde pessoa física poderá destinar 3% do imposto de renda devido para programas de atendimento dos direitos da criança e do adolescente. “A iniciativa é muito bem vinda e pode trazer benefícios palpáveis e de fácil acompanhamento por parte da sociedade, visto que os recursos se destinam a aplicação no próprio Estado.” Além disso, o desembargador sugeriu que explicações adicionais fossem procuradas junto aos contadores.  Ou seja, recursos endereçados ao Fundo da Infância e da Adolescência.

Tuitando

@Entre os dias 2 de maio e 25 de junho serão realizadas as 13 audiências regionais para definir as prioridades que integrarão a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual.

@ “São encontros fundamentais para que a população possa defender quais obras devem ser realizadas em cada uma das regiões”, garantiu o deputado Marcos Vieira depois de aprovado o calendário de audiências.

@ “São necessários mecanismos de apoio para que esta discussão não saia da pauta de trabalho. Deve ser realizado a muitas mãos, pois é preciso acreditar que ainda podemos melhorar a mobilidade urbana em nossas cidades”, declarou o deputado Carlos Chiodini, referindo-se a Lei que trata da mobilidade urbana.

@ A Lei de Mobilidade Urbana atinge também municípios com mais de 20 mil habitantes. Foi além dos 500 mil como era previsto. Isso significa a que atingirá 1,6 mil municípios brasileiros, incluído aí uma boa parcela de cidades catarinenses.

@ O prefeito de Palhoça, Ronério Heiderscheidt, defende a redução da maioria idade penal de 18 para 14 anos. Considera uma alternativa real para a segurança da população. “A redução da maioridade penal é um instrumento fundamental para o combate a criminalidade”.

Sugestão

No dia 17 de abril, quando estiver com o secretário de Segurança, Cesar Grubba, o prefeito de Palhoça, Ronério Heiderscheidt, vai propor um plano diretor para segurança pública atendendo as regiões metropolitanas. “Esse é o caminho mais curto para reprimir efetivamente a violência que cresce e assusta a população catarinense, em especial da Grande Florianópolis”, garantiu o prefeito reconhecendo que Palhoça apresenta vários problemas, por isso vai cobrar um empenho mais efetivo do Estado no combate à criminalidade no município.

E a Vida Segue

Só como curiosidade. Os 40 parlamentares estaduais recebem auxílio moradia, R$2,5 mil por mês. Todos usufruem desse benefício, inclusive, os deputados de Florianópolis, que tem residência fixa por aqui.