CPI dos Respiradores aprova oitiva do governador Carlos Moisés

Reunião da CPI desta terça (9) é marcada pela acareação entre três testemunhas, os ex-secretários Douglas Borba e Helton Zeferino e a servidora Marcia Pauli

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Respiradores aprovou, em reunião na tarde desta terça-feira (9), um requerimento do relator da CPI, deputado Ivan Naatz (PL), solicitando a oitiva do governador Carlos Moisés da Silva (PSL). A aprovação foi por unanimidade.

Conforme apurado pela reportagem, a CPI se baseia no CPP (Código do Processo Penal) e, assim, o governador Carlos Moisés, por ser uma autoridade máxima e ter foro privilegiado, tem a prerrogativa de escolher a data, a hora e o local. Embora a condição de chefe do Executivo, Moisés não pode se negar a prestar esclarecimentos.

A CPI foi instalada pela Assembleia Legislativa para investigar a compra de 200 respiradores artificiais pelo governo catarinense. O pedido foi apresentado logo no início da reunião desta terça, na qual ocorre a acareação.

Estão envolvidos nesta acareação o ex-secretário de Estado da Saúde Helton Zeferino, a servidora Marcia Pauli, que era superintendente de gestão administrativa da Secretaria de Estado da Saúde (SES) quando da compra dos respiradores, e o ex-chefe da Casa Civil do Estado Douglas Borba.

Leia também

A oitiva do governador ainda não tem data marcada. A expectativa pelo desfecho aumentou depois da deflagração da segunda fase da Operação Oxigênio, que culminou com a prisão do então braço direito do governo Carlos Moisés, Douglas Borba.

+ Política