Esplanada

Leandro Mazzini é jornalista, escritor e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. Iniciou carreira em 1994 e passou pelo Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Correio do Brasil, Agência Rio, entre outros. O blog é editado por Mazzini com colaboração de Walmor Parente e equipe de Brasília, Recife e São Paulo.


Discurso de Bolsonaro contra Poderes fideliza eleitor

Presidente postou vídeo chamando eleitores para manifestação pró-Governo dia 15 de março

Estrategicamente, o marketing eleitoral do presidente Jair Bolsonaro tenta manter o pragmatismo do discurso que o elegeu. Isso caracteriza o vídeo conclamando os aliados e eleitores para manifestação pró-Governo dia 15 de março.

Bolsonaro mantém o tom patriota contra a ‘velha política’, contra tudo e todos. Isso não traz novos eleitores, mas fideliza o seu. É o que o que o presidente e seu staff pretendem, e assim ele mantém a dianteira para 2022.

Bolsonaro sabe que, sem partido nas eleições municipais, corre sério risco de sair enfraquecido nos Estados no fim do ano. As manifestações populares serão seu artifício para peitar o jogo partidário atuante em Brasília.

Sem candidatos de um partido seu, Bolsonaro pode ver a ascensão do DEM, de Rodrigo Maia, e dos partidos do Centrão – sua maior dificuldade de acordos no Congresso.

Teores & Teorias

Um tom ufanista exacerbado, um discurso de vitimização desnecessário, e uma indicação de que é o salvador da Pátria. O vídeo que viralizou tem isso, mas em nenhum momento cita ataques ao Congresso Nacional e ao STF. A interpretação é livre.

Segue o jogo 

O jogo do bicho migrou para apostas esportivas, e os pontos agora têm maquininhas online para passar cartão, e computar as apostas. Com recibos impressos.

Cadeado na porteira

Pode ter passado despercebido para a maioria, mas tem gente atenta em Brasília: O MST parou suas invasões de fazendas desde o começo do ano passado.

Crise

Em meio à crise com o Congresso Nacional, o Planalto tenta conter o movimento das alas bolsonaristas na Câmara e no Senado que tentam derrubar o MDB das lideranças do Governo no Congresso e no Senado. Os postos são ocupados, respectivamente, pelos senadores Eduardo Gomes (MDB-TO) e Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

Teste final

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) é uma das que defende a deposição dos emedebistas. Mas, pelo menos por ora, Gomes e Bezerra Coelho serão mantidos. A prova de fogo dos dois será a votação, na próxima semana, do requerimento de convocação do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno – que foi flagrado em áudio criticando a ‘chantagem’ dos congressistas.