Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Entidades jornalísticas repudiam ataques de Ana Campagnolo à imprensa de SC

A deputada também retomou o assunto, em manifestação nas redes sociais

A ACI (Associação Catarinense de Imprensa) e a Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão) emitiram notas oficiais em repúdio às declarações da deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL). Em entrevista para esclarecer a coincidência do uso de diárias em datas de lançamento do livro “Feminismo: Perversão e Submissão”, a parlamentar ofendeu jornalistas.

Ouça o áudio da entrevista

Ana Campagnolo – Luca Gebara/Agência AL/NDAna Campagnolo – Luca Gebara/Agência AL/ND

A ACI demonstrou “grande preocupação” com o “tom desrespeitoso” da deputada durante a entrevista. “Ao atacar o trabalho do repórter, a parlamentar demonstra desconhecer o papel da imprensa e afronta a todos os profissionais que diariamente exercem seu ofício”.

A entidade lembrou também que o fato ocorre às vésperas do Dia do Jornalista, que é comemorado no domingo. “Às vésperas do Dia do Jornalista, a ACI reafirma sua defesa incondicional da profissão, e lembra que servidores públicos são pagos pela sociedade para trabalhar pelo povo”.

Por fim, defende que o caso seja investigado pela Assembleia Legislativa.

A Acaert repudiou “veementemente” as declarações da deputada, citando trechos como “jornalistas são canalhas” e “têm problemas cognitivos”. A associação lamentou as hostilidades “proferidas de forma genérica” e também contra o colunista. “Em outro trecho, a deputada reconhece a agressão. ‘Se quiser colocar da minha hostilidade contra o teu jornal ficaria muito satisfeita’”, disse a Acaert, em nota.

A associação considerou “grave as agressões verbais sofridas pelo profissional” e destacou que “os jornalistas têm como missão informar a sociedade sobre os assuntos de interesse público”. “As afirmações feitas pela parlamentar distorcem o trabalho dos profissionais de comunicação, e mostram desconhecimento do papel da imprensa em um país democrático de direito”, completou.

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina e a Federação Nacional dos Jornalistas emitiram uma nota conjunta. “Tal episódio constitui-se num fragoroso ato de cerceamento ao livre exercício da profissão além de flagrante tentativa de intimidação contra o jornalista”.

Nota da Acaert

|| NOTA DE REPÚDIO || A Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão – ACAERT repudia veementemente a…

Publicado por Acaert em Sexta-feira, 5 de abril de 2019

Nota da ACI

É com grande preocupação que a Associação Catarinense de Imprensa ACI – Casa do Jornalista volta a se manifestar por…

Publicado por Associação Catarinense de Imprensa – Casa do Jornalista em Sexta-feira, 5 de abril de 2019

Nota do SJ-SC e da Fenaj

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina e a Federação Nacional dos Jornalistas manifestam solidariedade ao jornalista Altair Magagnin e repudiam veementemente a reação destemperada e desqualificada da deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL/SC), que agrediu verbalmente não só o profissional como a categoria em geral.

Questionada pelo colunista sobre o uso de diárias da Assembleia Legislativa de Santa Catarina em dias de lançamento de um livro seu, a parlamentar descambou para agressões genéricas aos jornalistas classificando-os de “canalhas” e afirmando que se questiona se jornalistas “têm problemas cognitivos”.

Além de criticar a postura editorial do jornal Notícias do Dia do Grupo RIC, que segundo ela “publica coisas sem perguntar”, a parlamentar desferiu agressões verbais contra Altair ao manifestar desconfiança “da sua capacidade mental” e, num trecho onde menciona um pronunciamento seu, considera: “se você vai se dar ao trabalho de assistir o problema é seu, daí vai depender de saber se você é um jornalista bunda mole ou não”.

Em outro trecho da entrevista, a deputada transita entre o desprezo e o deboche com relação ao veículo de comunicação: “Se quiser colocar a minha hostilidade contra o teu jornal, ficaria muito satisfeita”.

O áudio com a entrevista publicada no site ndmais está disponível aqui. Nele é perceptível a serenidade e profissionalismo de Altair Magagnin, que, antes de publicar as informações obtidas com o cruzamento de dados da agenda da parlamentar e do Portal da Transparência do Legislativo, cumpriu uma regra básica do jornalismo, a de ouvir o outro lado.

Infelizmente, o profissional teve o desprazer de ouvir e confirmar que a parlamentar se mostra despreparada – e não é a primeira vez – para o convívio com pilares de um processo democrático, como a liberdade de imprensa e o respeito aos jornalistas.

Tal episódio constitui-se num fragoroso ato de cerceamento ao livre exercício da profissão além de flagrante tentativa de intimidação contra o jornalista.  O SJSC e a FENAJ esperam da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Santa Catarina a devida apuração e medidas cabíveis não só sobre as denúncias contidas na matéria, como também quanto ao indecoro da parlamentar.

Nota conjunta do Sindicato dos Jornalistas de SC e da Federação Nacional dos Jornalistas

A deputada Ana Campagnolo retomou o assunto, em manifestação nas redes sociais.

a) Há anos digo a mesma coisa sobre a tendência fraudulenta de grande parte dos jornalistas. A “extrema imprensa” foi…

Publicado por Ana Caroline Campagnolo em Sexta-feira, 5 de abril de 2019

Loading...