Fachin converte prisão de delatores da JBS de temporária para preventiva

Segundo o ministro, a prisão preventiva "constitui medida de contornos nitidamente acautelatórios"

LETÍCIA CASADO (FOLHAPRESS) – O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal) converteu a prisão dos delatores da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, de temporária para preventiva.

“Quanto aos requisitos da custódia, enfatizo que o acordo celebrado assegurava aos representados imunidade em relação aos fatos tratados naquela ocasião. Mesmo assim, segundo a hipótese acusatória, os representados teriam, em tese, omitido provas e informações”, escreveu o ministro na decisão.

Segundo ele, a prisão preventiva “constitui medida de contornos nitidamente acautelatórios” e não é um “instrumento de punição antecipada”.

Nesta quinta-feira (14), a PGR (Procuradoria-Geral da República) decidiu revogar a imunidade penal dos delatores da JBS e denunciar Joesley junto com o presidente Michel Temer e outros membros do chamado “quadrilhão do PMDB da Câmara”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Política

Fachin converte prisão de delatores da JBS de temporária para preventiva

LETÍCIA CASADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal) converteu a prisão dos delatores da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, de temporária para preventiva.

“Quanto aos requisitos da custódia, enfatizo que o acordo celebrado assegurava aos representados imunidade em relação aos fatos tratados naquela ocasião. Mesmo assim, segundo a hipótese acusatória, os representados teriam, em tese, omitido provas e informações”, escreveu o ministro na decisão.

Segundo ele, a prisão preventiva “constitui medida de contornos nitidamente acautelatórios” e não é um “instrumento de punição antecipada”.

Nesta quinta-feira (14), a PGR (Procuradoria-Geral da República) decidiu revogar a imunidade penal dos delatores da JBS e denunciar Joesley junto com o presidente Michel Temer e outros membros do chamado “quadrilhão do PMDB da Câmara”.

+

Política