Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Hercílio Luz: Construtor não reconhece assinatura em aditivo 50 vezes maior que contrato

Aditivo foi firmado quatro dias depois da assinatura do contrato, em setembro de 1990; depoimentos foram os primeiros da CPI na Assembleia Legislativa

No dia 5 de setembro de 1990, a empresa de engenharia Vivenda, de Criciúma, assinou um contrato de 304 mil cruzeiros para fazer serviços de manutenção na ponte Hercílio Luz, em Florianópolis. Mesmo apresentando o menor orçamento, foi desclassificada da licitação. Em recurso judicial, garantiu o direito de ser contratada. Depois de um ingresso conturbado na obra pública, um aditivo foi firmado no dia 9 de setembro de 1990, no valor de 15 milhões de cruzeiro.

O fato por si só, já é significativo. Quatro dias depois de contratada, a empresa assinou um aditivo com o governo do Estado em um valor 50 vezes maior que o contrato original. Mas, ainda há mais que isso. Em depoimento nesta terça-feira (16) aos deputados estaduais integrantes da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Assembleia Legislativa sobre as obras na ponte, os sócios da Vivenda, Sebastião Moraes Mattos e Vilmar Tadeu Bonetti, não reconheceram a assinatura no aditivo.

“Eu até me surpreendo com isso”, disse Mattos, responsável administrativo. Do bolso, tirou a carteira de identidade, cuja assinatura não correspondeu a que estava no documento público. “Me surpreendeu essa recordação”, acrescentou Bonetti, o responsável técnico, que depôs logo em seguida, em momentos distintos.

Mattos se comprometeu a apresentar documentos que guarda até hoje em relação ao período de pouco mais de dois anos que a Vivenda esteve vinculada à ponte. “Diante do fato, quem quer investigar sou eu”, completou.

Logo na primeira rodada de depoimentos, os deputados se defrontaram com evidências de suspeitas que subjetivamente estão muito claras. Há muito a ser esclarecido sobre as obras da ponte Hercílio Luz, pelo bem das contas públicas catarinenses.

1º depoimento CPI Hercílio Luz

Sebastião Moraes Mattos - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
1 6
Sebastião Moraes Mattos - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
Vilmar Tadeu Bonetti - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
2 6
Vilmar Tadeu Bonetti - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
- Fábio Queiroz/Agência AL/ND
3 6
- Fábio Queiroz/Agência AL/ND
Marcos Vieira e Luciane Carminatti - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
4 6
Marcos Vieira e Luciane Carminatti - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
Bruno Souza e Jessé Lopes - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
5 6
Bruno Souza e Jessé Lopes - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
Jerry Comper, Fernando Kreling e João Amin - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
6 6
Jerry Comper, Fernando Kreling e João Amin - Fábio Queiroz/Agência AL/ND
Loading...