Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


Investigações envolvendo políticos tirou o delegado da Deic

Historia mal contada

Foi o assunto do final de semana a exoneração do delegado Cláudio Monteiro, que comandava a Deic. Não poderia ser diferente, depois da reação que ocorreu nas redes sociais surpreendendo autoridades e revelando uma certa indignação ate por que fica difícil de assimilar o argumento de ter desviado diárias, onde casos muito mais graves não sustentam uma degola como a de Monteiro. Sendo assim foi aberto o bazar da especulação surgindo as mais variadas versões diante do fato que revelou uma presteza incomum na Secretaria de Segurança Pública. Sábado no Mercado Público em Florianópolis pipocavam opiniões e afirmações, entre um chopp e outro, nas mais variadas mesas. Claro que atitudes tortas não devem ser toleradas e muito menos abafadas, mas o motivo continuava frágil, reforçando a tese de que há muita coisa por trás disso tudo. Surgiu até a investigação sobre os R$ 52 milhões da Celesc, que vinha, até então, sendo realizada pela Deic. Foi lembrado também que na ameaça de greve dos delegados descontentes com o salário ficou claro que seriam ativadas as investigações envolvendo ilustres e importantes políticos. O que na época provocou críticas, pois se há desvios e condutas ilegais que sejam reveladas e não em ambiente de ameaças visando favorecimentos. Hoje está marcada uma manifestação motivada via redes sociais frente ao prédio da Segurança Pública contra a exoneração de Monteiro. É natural que o tempo arrefece ânimos, mas certamente manterá vivo a suspeita de que essa história esta mal contada…enquanto isso o governo torce para que essas reações diminuam e desapareçam logo.

Decisão

Nada além de duas horas extras. Caso contrário multa  de R$ 2 mil por empregado. Essa decisão partiu do juiz do Trabalho Antonio Silva do Rego Barros contra as empresas Terminal de Santa Catarina AS e WRC Operadores Portuários AS que atuam no Porto em São Francisco do Sul. Ambas foram denunciadas pelo Ministério Público do Trabalho de excedente de horas trabalhadas acima do normal. Há um caso de um empregado, num dia fazer 13 horas extras.

Fusão

Voltou a sala de conversas a possível fusão do DEM com o PSDB. As eleições de outubro serão definitivas. O partido está definhando desde a criação do PSD, que tirou dele prefeituras importantes. Além disso, as perspectivas de recuperação são mínimas. Cálculos preliminares levam a 100 prefeituras em todo o país em outubro. Muito pouco. Mas acelerar essas conversas agora não é o momento mais apropriado. Os tucanos querem evitar contaminações com o caso Demóstenes. Mas uma espécie de fusão é questão de tempo…

SOS Rodovias

Promessa feita, promessa cumprida. Um projeto que merece elogios. O governo começa a direcionar recursos para recuperar trechos em que estatísticas, efetuadas pela Polícia Rodoviária Estadual, comprovam o alto índice de acidentes. Mas esse trabalho, também necessário, não é o suficiente para conter a carnificina nas estradas. Só em 2010 foram mais de 40 mil mortes. É inconcebível. Depende muito do motorista e de seu respeito pela vida. Um dos trechos que será atendido é na SC 401, onde será aplicado R$ 1,2 milhão para corrigir falhas de engenharia na “curva da morte”.

Pois então…

Um projeto, que está tramitando em Brasília, torna obrigatória a participação em cursos de formação para candidatos eleitos a cargos de senador, deputado federal, estadual, vereador e prefeito. São matérias que vão de Direito Constitucional passando por Ciência Política até Regimento Interno. Muitos partidos já realizam esse tipo de curso antes do embate eleitoral, o que é mais aconselhável. Esse tipo de projeto revela que a imensa maioria que chega a um cargo eletivo está, na verdade, preparada para outras funções, infelizmente.

Tuitando

@ Começaram as movimentações de bastidor de olho na eleição da mesa da Assembleia, que acontece em fevereiro do ano que vem.  Existe a possibilidade real de um mandato dividido, por enquanto entre o PMDB e o PP. Mas não está descartada a participação do PSDB.

@ Nesta quarta feira deverá ser votado na Câmara o projeto que muda a Lei Seca. Sendo aprovado, o que não há dúvidas, fica autorizado o uso de testemunhas, exame clínico, imagens e vídeos como meios de prova para confirmar embriaguez dos motoristas.

@ Por enquanto será considerada apenas a ampliação das provas, que tem o apoio da maioria. Questões como o aumento de pena e mudanças nos índices de álcool no sangue ficarão para outro momento. Há um grupo defendendo tolerância zero. Ou seja, nada de álcool no sangue.

@ Não entra no pacote desta vez, mas está em analise o projeto de lei que pune com mais severidade o motorista que dirigir alcoolizado transportando crianças, gestantes, idosos ou pessoas portadoras de deficiência, pois são pessoas com incapacidade de defesa.

@ A confirmação do deputado Marco Tebaldi na corrida eleitoral de Joinville não garante sua participação na campanha. O anúncio será feito hoje. Ainda há o fantasma da Justiça impedindo o registro da candidatura. Enquanto isso o PMDB faz das tripas coração para trazer o PSD junto de Udo Dohler.

Complicado

Definitivamente a Câmara em Florianópolis barra qualquer projeto que venha do Executivo. Mais uma foi derrotado. Trata do parcelamento em 60 meses de uma dívida  com a Celesc de R$ 3 milhões referente a iluminação dos semáforos. Essa dívida vinha sendo contestada pela Prefeitura, que não teve sucesso. A atitude da Câmara visa prejudicar a administração Dário Berger impedindo o Certificado Nacional de Débito, o que barra qualquer empréstimo, repasse ou financiamento. Neste caso a Prefeitura conseguiu um Mandado de Segurança e vem obtendo o que necessita. Uma guerra política que de repente atinge a cidade, que merece obrigatoriamente atenção e responsabilidade.

E a Vida Segue

De repente houve uma espécie de silencio sobre o caso da compra de votos na eleição da mesa da Câmara Municipal na Capital, que vinha sendo investigada pela polícia civil. A população merece uma resposta, principalmente, quando se prepara para votar em outubro.