Lava Jato: até “ouvir dizer” ou “imagina” vale

Delações do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que envolvem a ex-senadora e ex-ministra Ideli Salvatti, carecem de detalhes e de informações, e colocam à prova o trabalho da Operação de combate à corrupção, conduzida pela PF

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró pôs Santa Catarina no meio do elameado cenário da Operação Lava Jato com um “imagina” que a ex-ministra e ex-senadora Ideli Salvatti tenha recebido propina da Transportes Dalçoquio, com sede em Itajaí, para pedir a renegociação de uma dívida de R$ 90 milhões com a BR Distribuidora. Assunto grave para o qual o delator Cerveró não soube sequer citar a data do ocorrido, embora, nas informações divulgadas pelo colunista Fausto Macedo, de O Estado de São Paulo, o ex-diretor da estatal teria citado em documento entregue à Procuradoria Geral da República que a proposta de Ideli, feita durante um almoço, seria uma extensão de prazo para o pagamento da pendência. O mesmo pedido teria sido feito pelo deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que foi presidente da Câmara e deixou a política ao ser condenado no caso do Mensalão.

Ora, manchar a biografia de muitos passou a ser o papel do ex-diretor da Petrobras, réu confesso de uma série de crimes apurados na Operação Lava Jato pela Polícia Federal, que já incluiu no mesmo tacho os ex-presidentes Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva a quem acusa de receber propina, com algumas imperfeições. Cerveró e seus defensores têm que dar provas das denúncias feitas senão perdem o acordado na delação premiada, mas apresentar declarações vagas, sem confirmações no melhor estilo “ouvi dizer” tira a credibilidade do que é relatado. Enfim, compromete o conteúdo da investigação e dá munição para os que reclamam de “vazamentos seletivos”.

A assessoria de Ideli, hoje responsável pela área de Acesso a Direitos e Equidade da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington (EUA), informou que a ex-senadora prefere não comentar por não ter detalhes da delação, não tem recordação de nenhuma reunião com Cerveró e ser colocou à disposição do Ministério Público. Embora os lapsos de memória tenham se tornados comuns na órbita de Brasília, inaugurados pela “amnésia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, não é possível condenar alguém com base em suposições, uma irresponsabilidade de quem denuncia e outra de quem deixa vazar.   

Tem mais

A Transportadora Dalçoquio foi vendida, ano passado, ao empresário paulista Laércio Tomé, acionista do Grupo Tomé Engenharia. As estripulias de Nestor Cerveró deixam a banalização tomar conta de um trabalho sério que é o da Operação Lava Jato.

Boa ideia

Em Maravilha, no Oeste catarinense, a prefeitura e o Departamento de Administração Prisional (Deap) firmaram uma parceria para utilizar a mão de obra carcerária para auxiliar no combate ao mosquito da dengue. Pelo acordo, apenados do regime semiaberto da unidade prisional do município, devidamente autorizados pelo diretor Josias Agostinho de Oliveira, vão trabalhar na limpeza, roçadas e recolhimento de lixo de terrenos baldios da cidade, com redução de pena de um dia para cada três trabalhados, nos próximos dois meses.

ALESSANDRO BONASSOLI/DIVULGAÇÃO/ND

O jornalista Philipp Sohmer entrevista o senador Paulo Bauer sobre a CPI do Futebol: diálogo em fluente alemão

FUSSBALL MIT BAUER

O documentário Futebol Máfia, um especial com 45 minutos de duração que será exibido pela TV alemã Das Erste, de Stuttgart, ganhou um depoimento longo do senador catarinense Paulo Bauer (PSDB), vice-presidente da CPI que analisa indícios de corrupção no esporte mais querido dos brasileiros. O repórter germânico Philipp Sohmer gravou com Bauer, em Florianópolis, que também deu impressões fortes sobre os escândalos que envolvem CBF e Fifa, em bom e fluente alemão durante 15 minutos, o que poupará o jornalista europeu de editar legendas no vídeo.   

“Não há mágica capaz de manter a ilusão de sustentabilidade num cenário onde todos os limites foram irresponsavelmente extrapolados, e sequer uma avaliação da capacidade suporte de nosso ambiente é promovida.”

João de Deus Medeiros, porta-voz da Rede Sustentabilidade, em nota sobre os problemas de balneabilidade nas praias do Norte da Ilha de Santa Catarina.

SÉRGIO MURILLO DE ANDRADE/DIVULGAÇÃO/ND

LegendaElson Pereira, segundo da esquerda para a direita, ao lado do vereador Afrânio Boppré: tempo na pré-campanha à prefeitura para lecionar na renomada Universidade de Coimbra, em Portugal 

VOU LÁ E JÁ VOLTO!

Pré-candidato à prefeitura de Florianópolis, o professor Elson Pereira despediu-se de seus companheiros de PSOL em pleno ano eleitoral para, durante os primeiros meses deste ano, dedicar-se a dar aulas na Cátedra em Ciências Sociais e Humanas, da renomada Universidade de Coimbra (Portugal), em convênio da Capes, da UFSC. Na despedida dos amigos, entre eles o vereador Afrânio Boppré (à esquerda), Elson participou de reunião com candidatos a vereador de seu partido e representantes de outras siglas.

No berço da fiação

Secretário adjunto da Casa Civil, o peemedebista Ari Vequi, que tewm um  perfil conciliador, não descarta concorrer à prefeitura de Brusque, mas avalia o cenário, onde consta a definição da candidatura do tucano Serafim Venzon. Até mesmo o partido do atual prefeito em exercício vereador Roberto Prudêncio, o PSD, acredita que Vequi seria uma boa alternativa. A conferir.

* Deputado Darci de Matos (PSD) comemora a sanção pelo governador de projeto de sua autoria e da ex-deputada Angela Albino (PC do B) que virou lei e permite que acompanhantes das gestantes, as doulas, estejam presentes durante os trabalhos de pré e pós-parto.

* Senador Paulo Bauer deixou claro a correligionários e assessores que só definirá a possibilidade de concorrer à prefeitura de Joinville depois do Carnaval, no início do mês que vem.

Loading...