Liberação de recursos federais para SC ainda depende de levantamentos dos prejuízos

Enquanto os danos ainda são calculados no Estado, o governo de SC reúne as informações de modo a ser mais preciso possível para subsidiar o governo federal

Após a passagem do ciclone que atingiu todo o estado de Santa Catarina, o presidente Jair Bolsonaro sobrevoou neste sábado (4) as áreas atingidas na Grande Florianópolis.

Reunião com o presidente Jair Bolsonaro – Foto: Tuliana Rosa/Divulgação/ND

Logo depois, o presidente participou de uma reunião para falar sobre repasse de recursos ao Estado. A Defesa Civil Nacional, que está em Santa Catarina,  ainda espera um levantamento final sobre os prejuízos causados nesta semana.

“Para liberar os recursos, nós precisamos saber a quantidade de danos, até porque o desastre foi muito grande e os recursos são escassos”, afirmou o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas.

Leia também:

Participaram da reunião o representante do Fórum Parlamentar Catarinense e o governador Carlos Moisés (PSL), que marcou presença por videoconferência após ser diagnosticado com o novo coronavírus.

Moisés disse que o Estado está dando prioridade ao atendimento humanitário das famílias, principalmente com o fornecimento de telhas e lonas. “A avaliação de danos demanda um pouco mais de tempo. É um trabalho que é feito no terreno e, neste momento, é necessário que a assistência seja imediata. A reconstrução ainda vai levar um tempo”, afirmou, sem fixar uma data para concluir o levantamento dos danos.

Além dos recursos emergenciais, Moisés também pediu, a título de investimento, recurso da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para instalação de rede subterrânea nas áreas mais afetadas e para serviços essenciais, que não podem ficar sem o fornecimento de energia, como os hospitais, por exemplo.

A passagem do ciclone causou o maior acidente da história na rede elétrica catarinense e mais da metade da população ficou sem energia.

Neste sábado, cinco dias após o acontecido, algumas regiões ainda não tiveram o serviço restabelecido. Até o início da tarde, a falta de energia ainda afetava mais de 90 mil unidades em Santa Catarina.

Na quinta-feira (2), o governador Carlos Moisés decretou estado de calamidade pública em Santa Catarina. O número de mortos subiu para 10 pessoas neste sábado e uma pessoa ainda está desaparecida.

Com informações da Agência Estado

+

Política