Altair Magagnin

altair.magagnin@ndmais.com.br Não é só sobre política. É sobre o impacto das decisões públicas na tua vida. Jornalista profissional com experiência multimídia, acompanha os bastidores do poder e traz análises e notícias exclusivas. Siga @altamagagnin nas redes.


Mistério para CPI, coluna descobre quem assinou aditivo em contrato da Ponte Hercílio Luz

Revestida da expectativa de jogar luz em supostas irregularidades na emblemática Ponte Hercílio Luz, a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) instalada em 27 de fevereiro pela Assembleia Legislativa ainda não disse a que veio. Prevista para durar 120 dias, foi prorrogada por mais 120, sem apresentar – pelo menos por enquanto – algum fato relevante que justifique o tempo e o dinheiro público despendidos para este trabalho investigativo.

José Ruiz reconheceu a assinatura que ninguém na CPI da Ponte sabe de quem é – Fábio Queiroz/Agência AL/NDJosé Ruiz reconheceu a assinatura que ninguém na CPI da Ponte sabe de quem é – Fábio Queiroz/Agência AL/ND

A CPI até começou bem. Na primeira rodada de depoimentos, em 16 de abril, um fato suspeito foi levantado e mereceu destaque na coluna. Em 5 setembro de 1990, a empresa de engenharia Vivenda assinou um contrato de 304 mil cruzeiros para fazer serviços de manutenção na ponte. Quatro dias depois, um aditivo foi firmado, no valor de 15 milhões de cruzeiros. Além de o extra ser 50 vezes maior que o contratado, chamou atenção que os depoentes, sócios da Vivenda, não reconheceram a assinatura no documento. Depois desse dia, nenhum fato mais relevante surgiu das reuniões da CPI, tanto é que a pauta sumiu do noticiário.

Pois bem. Até agora, no âmbito da CPI, ninguém sabe quem assinou o aditivo – ou pelo menos não informou publicamente. Mas, a coluna descobriu. Trata-se de José Ruiz, que coordenou as obras de conservação da ponte durante 38 anos. Em novembro de 2014, Ruiz voltou ao local de trabalho entre 1960 e 1998. Posou para fotos de Marco Santiago e reportou sua história a Paulo Clóvis Schmitz. “José Ruiz coordenou a conservação da ponte Hercílio Luz durante 38 anos”, destacou a matéria, que está disponível aqui no ND+.

Localizado na noite desta quarta-feira (3) pela coluna, Ruiz confirmou que é dele a assinatura no documento. Mistério revelado. Nada tão difícil, a partir de uma pista repassada por uma boa fonte e alguns cliques de pesquisa na internet. Questionado se está à disposição caso seja convidado a prestar depoimento na CPI, disse que sim. “Quem não deve, não teme”, afirmou o senhor de 85 anos, que tem dúvidas se o governo do Estado cumprirá o prazo de reabrir a ponte ao tráfego em dezembro.

Fica a dica aos deputados. Se quiserem, eu tenho o telefone dele.

José Ruiz, em 2014, em entrevista ao ND

José Ruiz mostra foto antiga da ponte Hercílio Luz, quando ela ainda era aberta ao tráfego - Marco Santiago/Arquivo/ND
1 3
José Ruiz mostra foto antiga da ponte Hercílio Luz, quando ela ainda era aberta ao tráfego - Marco Santiago/Arquivo/ND
Hoje com 85 anos, José Ruiz visitou a ponte em 2014, quando tinha 80; ali, trabalhou entre 1960 e 1998 - Marco Santiago/Arquivo/ND
2 3
Hoje com 85 anos, José Ruiz visitou a ponte em 2014, quando tinha 80; ali, trabalhou entre 1960 e 1998 - Marco Santiago/Arquivo/ND
Repórter Paulo Clóvis Schmitz entrevistou José Ruiz - Marco Santiago/Arquivo/ND
3 3
Repórter Paulo Clóvis Schmitz entrevistou José Ruiz - Marco Santiago/Arquivo/ND
Loading...