Não queria ser vice de prateleira, diz Mário Hildebrandt, sucessor de Napoleão Bernardes

Prefeito é entusiasta da candidatura do antecessor, a quem define como alguém de um potencial fantástico

Uma agenda de visitas institucionais trouxe o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt (PSB), a Florianópolis, nesta quarta-feira (23). O vice de Napoleão Bernardes (PSDB) assumiu o cargo há pouco mais de 45 dias. O desafio neste momento é destrinchar uma negociação com os servidores públicos. Se atender ao pacote de solicitações do funcionalismo, terá o comprometimento anual de R$ 100 milhões só com a folha de pagamento, situação que, adianta, não tem “condições de atender”. Em um primeiro momento, Hildebrandt pretende fazer a reposição da inflação nos salários.

LEIA MAIS: Não poderia abrir mão da oportunidade histórica, diz Napoleão sobre renúncia

Mário Hildebrandt - Michele Lamin/Divulgação/ND
Mário Hildebrandt – Michele Lamin/Divulgação/ND

Prateleira

Então vice-prefeito, Mário Hildebrandt acumulava a Secretaria Executiva de Mobilidade Sustentável e Projetos Especiais, responsável por um pacote de R$ 190 milhões em obras. “Eu não queria ser um vice de prateleira, que só seria usado quando o prefeito saísse. Eu queria estar à disposição”, disse. Além de tocar as obras de mobilidade, carro-chefe da administração, o prefeito é um entusiasta da candidatura do antecessor Napoleão Bernardes, a quem define como alguém de um “potencial fantástico”. Na análise de conjuntura, Hildebrandt vê o momento como de “incógnita”, seja com candidatura ao Senado ou ao governo do Estado.