PDT elege nova diretoria municipal em Joinville

A chapa Democracia Partidária venceu a eleição para a escolha do novo diretório municipal do PDT de Joinville, sábado (21/4), na Câmara de Vereadores. Com 148 votos, totalizando 57% dos votos válidos, o advogado Rodrigo Bornholdt levou a melhor sobre a chapa Legalidade, liderada pelo ex-secretário de Habitação, Alsione Gomes Filho, que recebeu 112 votos, representando 43% dos votos. Foram três votos em branco.

Votantes
Apesar da intensidade da campanha das duas chapas, apenas 263 filiados compareceram para votar na eleição do diretório. Como o PDT de Joinville tem mais de 2.000 filiados, apenas 10% ajudaram a definir a nova direção partidária. De qualquer forma, os pedetistas promoveram uma eleição democrática, que serve de exemplo para outras siglas partidárias em Joinville.

Composição
A chapa Democracia Partidária defende candidatura própria do PDT a prefeito de Joinville. O mais cotado é o advogado Rodrigo Coelho, apoiado justamente pelo vencedor da disputa, o também advogado Rodrigo Bornholdt, que deve ser reeleito na quinta-feira (26) para a presidência municipal do partido. Como não houve maioria absoluta na eleição pedetista, haverá uma composição das duas chapas para formação do diretório. Da ala de Rodrigo Bornholdt serão 38 membros, e a de Alsione Gomes Filho terá 28 representantes.

Satisfeito
“O mais importante é que o PDT mostrou que é um partido democrático e que buscará seu espaço na eleição”, disse Rodrigo Coelho, pré-candidato a prefeito de Joinville pelo PDT.

Preocupação
A vitória da chapa Democracia Partidária era justamente o que o prefeito Carlito Merss (PT) não desejava. Torcia pela chapa Legalidade, onde Alsione Gomes Filho pregava o apoio à administração municipal petista na eleição. Carlito aguardará a convenção do PDT em junho, quando será definido realmente se o partido lança ou não candidato a prefeito. De qualquer forma, não afasta a possibilidade de “degolas” em cargos comissionados ocupados pelo PDT.

De olho
O presidente estadual do PDT, Manoel Dias, disse que o partido em Joinville tem o direito de lançar candidato a prefeito. É uma ordem da direção nacional, que defende candidaturas próprias em municípios com mais de 200 mil habitantes. Mas Dias avisou que se o partido resolver coligar com o PT, atendendo a ordem nacional, poderá haver uma intervenção em Joinville.

Recado
Foi um recado direto aos pedetistas que já estariam articulando uma possível aliança com o PMDB, que tem como pré-candidato a prefeito o empresário Udo Dohler. Inclusive, alguns integrantes do PT esbravejam que o PMDB estadual teria influenciado na eleição do PDT para ajudar na eleição de Rodrigo Bornholdt. Isto renderá polêmica durante a semana.

Protesto
O governo estadual conseguiu desagradar não apenas os opositores naturais, mas também o próprio PSD joinvilense, com a falta de atenção para a cidade e região nos últimos meses. A revolta do diretório local é grande, principalmente pela falta de recursos em várias áreas. O comentário entre os integrantes do PSD, mesma sigla do governador Raimundo Colombo, é de que existe uma ação política para enfraquecer Joinville.

Tríplice
O PSD teria hoje três grupos fortes internamente: o PSD da Ilha (Florianópolis), o PSD de Lages (terra do governador) e o PSD do Oeste. Como Joinville tem hoje o maior colégio eleitoral de Santa Catarina, não haveria interesse político em fortalecer o partido aqui, que seria a quarta força do PSD. Ou seja, tende a não ter candidato a prefeito neste ano. Agora, a polêmica está nas mãos dos deputados estaduais Darci de Matos e Kennedy Nunes.

Aguardar
O presidente municipal do PPS, Vanderlei Battisti, garantiu que o partido aguarda as definições políticas nas convenções de junho para depois decidir o caminho mais coerente. O objetivo agora é concentrar o apoio aos pré-candidatos a vereador e, depois, verificar se haverá candidatura própria a prefeito ou, no mínimo, um nome para disputar o cargo de vice-prefeito. “O PPS não tem acordo com ninguém. Temos independência e saberemos a hora de agir”, disse Vanderlei Battisti.

Protocolou
A representação do PSOL contra o deputado federal Marco Tebaldi (PSDB) foi protocolada na Justiça Eleitoral de Joinville. O diretório municipal do PSDB e o Conselho das Associações de Moradores do Município de Joinville também estão entre os representados. Todos são acusados de promover propaganda eleitoral antecipada em favor de Tebaldi.

Motivo
As irregularidades apontam propaganda eleitoral com mensagens via outdoor, adesivos da campanha com os dizeres “Volta Tebaldi”, convites com a logomarca do partido e o a divulgação do número 45. O PSOL poderá entrar com mais ações, mas contra outros pré-candidatos a prefeito em situações semelhantes.

Nornal
O deputado federal Marco Tebaldi (PSDB) entende que as ações demonstram que a eleição começou e que a liderança nas pesquisas atrai este tipo de ação na Justiça. Tebaldi disse que se concentrará no trabalho na Câmara e nas reuniões do Núcleo 45, promovidas pelos tucanos nos bairros de Joinville. A última ocorreu no Clube Alvorada, no bairro Iririu, onde prometeu aos moradores verificar na  Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara Federal formas de financiamento para pavimentação de ruas.