Prefeito de Florianópolis reafirma inocência no caso da Operação Chabu

Em coletiva de imprensa convocada na manhã deste sábado (7), Gean Loureiro disse que a expectativa é pelo arquivamento do processo

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, convocou a imprensa na manhã deste sábado (7) para se manifestar sobre o término do inquérito da Operação Chabu.

Com tranquilidade, Loureiro disse estar aliviado pelo fato de nenhum fato novo ter sido apresentado, além do que já se conhecia. “Nenhum dos indícios de que eu estaria envolvido em alguma ação ilícita de corrupção passiva ou desvio de recursos públicos foi confirmada. A expectativa é que o processo acabe sendo arquivado”, declarou.

Prefeito da Capital, Gean Loureiro, reafirma inocência no caso da Operação Chabu – Foto: Andréa da Luz/ND

O prefeito lembrou que estava sendo investigado por ter uma sala secreta em seu gabinete dentro da prefeitura e de ter vazado informações sobre ações da PF. “Um dia antes da operação ser deflagrada, disparei mensagens para uma lista de dois mil contatos falando sobre o lançamento da Operação Asfaltaço, no Norte da Ilha. Disseram que a placa da fazia alusão à PF porque tinha as mesmas cores, mas amarelo e preto são as cores do asfalto”, disse.

“Também não ficou comprovada existência de sala secreta nenhuma no gabinete, quem quiser pode vir aqui procurar”, afirmou. “Nós já esperávamos esse indiciamento porque faz parte do trâmite normal e saber que nenhum fato novo foi apresentado traz um grande alívio. Essa foi a maior injustiça política cometida, mas apesar desse erro continuo acreditando na instituição da PF”.

O prefeito diz que não está preocupado com repercussões negativas nas próximas eleições. “Meu maior adversário é ser um péssimo prefeito e administrador. Saio fortalecido e com apoio da população que é contra qualquer injustiça. Não há desvio de recursos nem atos irregulares”.

Carta aberta à população

Mais cedo, o prefeito já havia divulgado uma carta aberta à população em seu perfil oficial no Facebook. Veja a íntegra abaixo:

“OPERAÇÃO CHABU DA POLÍCIA. ENFIM, O RELATÓRIO CHEGOU. MAIS UMA OPORTUNIDADE DE PROVAR A INJUSTIÇA

Desde a operação da polícia no dia 18 de junho não consigo dormir direito. Aquela cena de estarem na porta da minha casa às 6h da manhã, mexerem nas coisas da minha família, levarem os “perigosos” computadores com adesivos de florzinha e celulares de minhas filhas adolescentes, nunca mais sairá da minha cabeça. E desde aquele dia, não consigo dormir uma noite sequer esperando pelo relatório final da Polícia. Enfim ele chegou hoje.

Na peça, as mesmas conclusões distorcidas e confusas que já esclareci no dia da operação, apenas uma repetição de fatos com os mesmos indícios para tentar justificar a minha prisão ou afastamento do prefeito de uma capital! Primeiro, ainda insistem na tal SALA SECRETA. Onde ela está e o que eu ganharia com isso? Aliás, se alguém quiser visitar o meu gabinete, dito sala secreta, fiquem a vontade!

Depois, chegaram ao ABSURDO de dizer que a Operação Asfaltaço é um nome para eu avisar as pessoas sobre operações da polícia federal. É claro que quem escreveu esse relatório não é daqui e não conhece a realidade local. Mas pedir minha prisão por causa disso? Parar uma cidade de 500 mil habitantes por conta dessas imaginações?

Fato é que a operação encerrou e como esperado estou indiciado por crimes que até agora não sei quais são ou o que eu ganharia com eles. De uma certa forma, traz alívio para mim e para minha família, pois agora sei que, de fato, foi um grande absurdo tudo que fizeram naquele dia. Felizmente o processo pode avançar agora e me adiantarei sempre para responder qualquer questionamento e finalizar de uma vez essa tortura.

Estou de peito aberto, chamei uma coletiva de imprensa agora de manhã, para falar tudo sobre o que recebi do relatório, afinal o relatório que era pra estar em segredo de justiça já está vazando. Não vou esperar chegar a informação para vocês, eu mesmo venho contá-la. Não vou me esconder. Ficarei 24h por dia de hoje em diante a disposição de qualquer jornalista ou pessoa que tenha dúvidas sobre o que aconteceu.

Para finalizar, quero pedir desculpas. Para minha família, pela humilhação. Para meus amigos, pela preocupação. Para a cidade que confiou e confia em mim, por assistir nos jornais nacionais o prefeito afastado por conta de uma sala secreta que, de tão secreta, até hoje ninguém achou.

Após a coletiva, sigo no super-dezembro entregando obras. Essas injustiças me dão mais energia para trabalhar!

GEAN LOUREIRO
Prefeito de Florianópolis”

Processo segue para o TRF-4

Com a conclusão do inquérito da PF (Polícia Federal) sobre a Operação Chabu, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, e mais 16 pessoas foram indiciados. A operação deflagrada em 18 de junho investiga uma suposta organização criminosa cujo objetivo seria atrapalhar investigações da PF.

O relatório do inquérito, com 580 páginas, segue agora para o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre.

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, foi detido e levado à sede da PF na capital para esclarecimentos quando a operação foi deflagrada, em 18 de junho, mas liberado no mesmo dia. Ele teve a casa revistada, celulares e computadores dele e da família apreendidos e ficou afastado do cargo por 30 dias.

Leia mais:

+

Política