Procuradoria denuncia governador do RN sob suspeita de obstruir a Justiça

JOÃO PEDRO PITOMBO

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) – O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), foi denunciado nesta segunda-feira (18) pela Procuradoria-Geral da República.

A denúncia foi formulada com base nos resultados da Operação Anteros da Polícia Federal, que investigou a tentativa de obstrução da Justiça na investigação de um esquema de desvio de recursos na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

Realizada em agosto, a operação é um desdobramento da Operação Dama de Espadas e teve o governador como alvo de busca e apreensão. Faria foi presidente do Legislativo estadual por quatro biênios, de 2003 a 2010.

A operação investiga o suposto desvio de recursos do Poder Legislativo por meio de funcionários fantasmas na folha de pagamento, de 2006 a 2011.

A denúncia da PGR foi remetida para o STJ (Superior Tribunal de Justiça). Será relatada pelo ministro Raul Araújo e apreciada pela Corte Especial do STJ, formada por 15 ministros.

Caso o STJ acate a denúncia, Robinson Faria se tornará réu. A abertura de uma ação penal, contudo, não necessariamente significará o afastamento do governador do cargo.

Além do governador Robinson Faria, foram denunciados pela PGR os servidores Magaly Cristina da Silva e Adelson Freitas dos Reis -ambos são ligados a Robinson Faria e foram presos na operação realizada em agosto.

Magaly Cristina é coordenadora do projeto Assembleia Cidadã e já havia sido citada na Dama de Espadas.

Adelson Freitas dos Reis, aposentado pela Assembleia Legislativa como assessor técnico, ocupa cargo no Gabinete Civil do Estado e é apontado como um dos assessores mais próximos de Robinson Faria.

Procurado, o advogado do governador, José Luiz de Oliveira Lima, informou que não teve acesso à denúncia da PGR e, por isso, não comentaria a decisão.

A reportagem não conseguiu contato com as defesas de Magaly Cristina da Silva e Adelson Freitas dos Reis.

+

Política

Loading...