PSDB de SP expulsa ex-governador Goldman e Saulo, aliado de Alckmin

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Comandado por um aliado de João Doria, o PSDB paulistano expulsou o ex-governador paulista Alberto Goldman, o secretário estadual de Governo Saulo de Castro e mais 15 filiados da legenda por infidelidade partidária.

“Eles podem recorrer às instâncias superiores do partido. Mas a decisão está tomada. Já estão expulsos”, disse o dirigente municipal, vereador João Jorge, à reportagem, nesta segunda-feira (8).

O senador José Serra (PSDB-SP), aliado de Goldman, afirmou que a expulsão segue “o padrão Doria de truculência”. “As medidas são descabidas até porque não houve nem direito de defesa. A direção nacional do PSDB não vai deixar isso acontecer.”

Doria disputa o governo de São Paulo com Márcio França (PSB). Paulo Skaf (MDB) foi derrotado no primeiro turno.

“Saulo acompanhou Márcio França para cima e para baixo com bóton no peito. Goldman fez críticas severas ao nosso candidato João Doria e apoiou Skaf”, justificou.

Os demais se posicionaram a favor de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial no primeiro turno, a despeito da candidatura do tucano Geraldo Alckmin.

Procurado pela reportagem, Goldman desqualificou a expulsão. “Será que ele tem o AI-5 na mão e eu não sabia? Tem gente que está pensando que está na ditadura e que ele é o ditador”, afirmou.

Ex-presidente nacional do PSDB e membro da executiva nacional, Goldman afirmou que qualquer filiado pode pleitear a expulsão de outro, desde que siga um rito processual. “Não tem nenhum panaca nesse partido que tenha condição moral de pedir a minha expulsão”, reagiu.

A medida faz parte da ofensiva do grupo de Doria para tomar o controle do PSDB. Com a derrota de Alckmin no âmbito nacional e de diversos caciques em seus estados, a ala pretende reequilibrar forças dentro da legenda.

Se Doria vencer a eleição estadual, administrará o segundo maior Orçamento do país, o que lhe trará ascendência.

Saulo de Castro, homem forte do governo Alckmin em São Paulo, não quis comentar.

Com a relação talvez em sua pior fase com Doria (PSDB), Alckmin dificilmente fará campanha para o tucano no segundo turno.

O gesto de França de ir visitá-lo após a derrota na disputa presidencial, no domingo (7), foi mais uma demonstração de afinidade política.

A iniciativa foi realçada por alckmistas como símbolo da ligação, em contraponto a Doria, que ao longo do primeiro turno causou constrangimentos ao padrinho político.

Como presidente nacional do PSDB, Alckmin teria dificuldades em se posicionar publicamente contra Doria na eleição. Aliados seus, contudo, mantêm-se próximos a França, como o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), que recebeu a primeira visita do pessebista após o primeiro turno.

Ainda na segunda, a executiva municipal do PSDB decidiu, “salvo orientação em sentido diverso das instâncias superiores do partido”, liberar seus filiados para tomar posição no segundo turno.

A despeito das divisões internas no tucanato, João Jorge “convocou todos filiados a se integrarem na campanha de segundo turno” do candidato tucano.

+

Política

Loading...