Paulo Alceu

Análises qualificadas e comentários assertivos acerca dos assuntos mais relevantes para os catarinenses.


PT pede o fim das regionais

Segundo o líder da bancada, R$ 300 milhões são gastos para manter a estrutura do “cabide de emprego”

Interessante 1 

Divulgação/ND

Procede a sugestão do senador Luiz Henrique da Silveira criando uma subcomissão do Marco Regulatório da Mineração. O que significa isso? Desenvolver tecnologias que permitam a extração de “Terras-Raras”, que são os minerais do futuro.  Explicando: trata-se de um conjunto de 17 elementos químicos, com alto grau de pureza e concentração, encontrado em jazidas minerais. São indispensáveis para a moderna indústria, de equipamentos como de iPhones, iPods, Led’s, Laptops…

Interessante 2
O Brasil hoje tornou-se um grande importador apesar do vasto potencial mineral que possui, mas sem a capacidade tecnológica de ponta. O desafio proposto pelo senador catarinense é desenvolver novas tecnologias e sair da dependência da China e dos Estados Unidos. Retornar a liderança significa, segundo Luiz Henrique, o governo elaborar um programa de pesquisa de minerais raros e os transforme em insumos para a criação de produtos complexos e sofisticados.

Economia  
A palavra de ordem hoje na reunião do colegiado é economia. Também pudera, R$ 1 bilhão/ano sairá dos cofres públicos. É preciso readaptar o orçamento e as prioridades. O PT, no embalo, não perdeu tempo para atingir o governo cobrando o fim das regionais. Segundo o líder da bancada, R$ 300 milhões são gastos para manter a estrutura do “cabide de emprego”. “Essas estruturas onerosas já mostraram que não conseguem atuar em prol do desenvolvimento regional….é um gasto para manter uma estrutura voltada ao cabide de emprego, que serve para promover  futuros candidatos a cargos políticos e manter o poder político idealizado pelo ex-governador Luiz Henrique da Silveira”, descreveu o petista. Um dado interessante: as 36 regionais significaram R$ 101 milhões em salários em 2011.

Tão simples
O deputado Manoel Mota apresentou ontem um projeto de lei tornando obrigatório o uso de alarme com sensor de presença nas agências bancárias de Santa Catarina. Ficariam instalados junto às caixas eletrônicas funcionando do encerramento das atividades até a reabertura. O estranho é que este tipo de equipamento não é comum, a maioria das agências utilizam apenas câmeras, que servem no outro dia para “alimentar” os noticiários. Pois então, um alarme pelo menos inibe e cria mais uma dificuldade.

Costuras 
Em Brasília, a executiva nacional do PSDB definiu que as eleições municipais de Joinville, Criciúma e Blumenau serão prioridades. O presidente, Sérgio Guerra, garantiu apoio aos candidatos Marco Tebaldi (Joinville), Clésio Salvaro (Criciúma) e Napoleão Bernardes –(Blumenau). Durante o encontro deles com Guerra chegou o presidente do DEM, senador José Agripino, que se mostrou propenso a parcerias com os tucanos. O partido vai colaborar com a formação de coligação com siglas afinadas com os tucanos.

Tuitando

@ O coronel Nazareno Marcineiro é o novo presidente do Conselho Nacional de Comandantes Gerais das Policiais Militares e Corpo dos Bombeiros do Brasil. Foi eleito por unanimidade ontem em São Paulo. A meta é zelar pela imagem da PM e acompanhar os projetos no Congresso, que mexem com a segurança.

@ Conforme a assessoria do prefeito Edison Piriquito, representantes da Cruz Vermelha afirmaram que só um personagem na história teve coragem de confrontar a entidade: Adolf Hitler. Fazendo paralelos com o prefeito.

@  A reação veio rápida: a Cruz Vermelha Brasileira, afirma a Prefeitura de Balneário Camboriú, vive envolvida em escândalos, não foi afrontada por ninguém. Anos atrás até a presidente da Cruz Vermelha foi condenada à prisão por desvios de recursos públicos.

@ “É necessário que os partidos coloquem à disposição das mulheres os meios para que possam disputar em condições de igualdade…uma distribuição igualitária dos recursos financeiros e materiais.” Declarou a presidente nacional do PP, Mulher, Beth Tiscoski, mostrando o descompasso.

@ A deputada petista Luciane Carminatti descreve o clima de insegurança vivido pelo catarinense, segundo ela, devido a crise instalada na Secretaria de Segurança, envolvendo denúncias no alto escalão. E considera estranho um delegado exonerado, por conduta moral, ser nomeado para outra função.

Guerra declarada
A assessoria do prefeito Edison Piriquito, de Balneário Camboriú, rebateu as críticas e argumentos apresentados pelo presidente da Cruz Vermelha Brasileira Rio Grande do Sul, Nício Brasil Lacorte. Em pauta a intervenção no Hospital Ruth Cardoso. Uma das contestações partiu quando a Cruz Vermelha, que segundo alegação, disse que não cabe a prefeitura determinar o que é feito com o dinheiro que recebe, o compromisso é a prestação de serviço. Para o prefeito o contrato estabelece o que pode ou não pode ser feito com o dinheiro sendo aplicado o que sobrar no próprio hospital. Há também o disse-me-disse: Sobre a denúncia de falta de alimento, computada ao prefeito, quem reclamou, segundo a Prefeitura, foi o diretor do hospital, Fernando Vianna, em audiência pública na Câmara. Ou seja, o clima é tenso e de acusações de ambos os lados, o que revela que há algo de errado e muito tem que ser esclarecido. Bem-vinda a CPI, desde que não se torne politiqueira e eleitoreira.

Transparência

Antes que entre vigor a lei de acesso à Informação Pública, marcado para o dia 16 de maio, o governo do Estado lançará o Portal  da Transparência no dia 8 de maio. O novo portal (www.transparecia.sc.gv.br) permitirá a qualquer cidadão, sem nenhuma exigência, acesso a todos os dados de arrecadação e pagamentos, em tempo real. É a nova lei. Sob a coordenação da Secretaria da Fazenda o portal em novo modelo é mais moderno do que o atual e facilita o acesso. Agora o cidadão não vai precisar escolher a secretaria, estará tudo disponível.

E a Vida Segue
Será que na reunião do colegiado o governo vai “cortar na própria carne” para alcançar uma economia eficiente e real. Embora esteja entre os Estados de menor custeio no país.