Avenida Beira-Mar Norte: conexão entre mobilidade, turismo, saúde e lazer

Com ruas arborizadas, iluminadas e que combinam prédios residenciais e comerciais, essa região central também é uma das mais seguras da cidade para se vive

REPORTAGEM: Letícia de Castro

Popularmente conhecida como Avenida Beira-Mar, a Avenida Jornalista Rubens de Arruda Ramos, construída sobre um aterro na década de 1960, é uma das regiões mais valorizadas da capital catarinense. Cercada por um bairro nobre e às margens da baía formada entre a ilha de Santa Catarina e o continente, a Avenida Beira-Mar conta com sete quilômetros de comprimento e é a principal via de ligação entre as praias do Norte, do Leste da ilha e o Centro da cidade, caminho de quem chega em Florianópolis pelo transporte rodoviário. Com ruas arborizadas, iluminadas e que combinam prédios residenciais e comerciais, essa região central também é uma das mais seguras da cidade para se viver, concentrando o metro quadrado mais caro da capital. 

Foto: Marcos Campos / ND

A Avenida Beira-Mar oferece uma das paisagens urbanas mais bonitas de Florianópolis, principalmente no horário do pôr do sol, quando a luz reflete nas águas revelando tons de laranja.  Algumas pessoas até param o carro para poder melhor apreciar a paisagem. Lauren Romero, natural da Inglaterra, está se mudando para Florianópolis por conta do seu casamento com um catarinense que nasceu e cresceu na ilha.

A casa dos dois é bem de frente para a avenida e a inglesa declara que o maior passatempo do casal é apreciar o visual da Beira-Mar. Lauren conta que seu marido vai todas às manhãs para o calçadão fazer exercícios físicos. “Ele gosta de se exercitar com a vista para o mar”, revelou. Para a nova moradora da capital catarinense, o espaço é único e confessa que de todos os lugares do Brasil que já viajou, tirando o Rio de Janeiro, nunca tinha visto algo assim. “Quem não é daqui, tem a Beira-Mar como referência”, afirmou.

Foto Marcos Campos / ND

Além de ser referência da cidade para moradores e turistas, a Avenida Beira-Mar é um dos pontos da capital que mais recebe pessoas diariamente. Desde antes do nascer do sol até tarde da noite, independente da hora e em qualquer uma das quatro estações, está sempre repleta de gente correndo, caminhando, passeando com cachorros ou apenas utilizando do espaço para relaxar. Maria Isabel de Freitas, estudante de história na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), adotou como seu local de leitura.

“Não só a vista, que é incrível, mas todo o ambiente proporciona um sentimento de relaxamento e paz. Para mim, não existe maneira melhor para conseguir se concentrar e ler um bom livro”, afirmou a estudante. Já para o comerciante Eduardo Gonçalves, que reside no bairro Estreito há 25 anos, a famosa avenida da cidade é seu lugar preferido para se divertir com seus dois filhos, Miguel e Felipe. “Meus meninos estudam no Centro, no período da tarde, e quase todos os dias depois que termina a aula, eu trago eles aqui para aproveitar o restinho do sol”, declarou o comerciante. 

Para quem gosta de praticar exercícios físicos, ou até mesmo quem não consegue pagar uma academia particular, o local é um lugares mais completos quando o assunto é se exercitar. Conta com diversos espaços ao ar livre destinados para alongamento e treinamentos multifuncionais, como os aparelhos de ginástica. Também é muito comum encontrar pessoas utilizando do calçadão da avenida para andar de patins, patinete e até inventando umas manobras de skate.

Foto: Marcos Campos / ND

Aos que são adeptos a andar de bicicleta, a Beira-Mar dispõe de uma ciclovia bem sinalizada, que garante segurança para os ciclistas, tanto para a prática do esporte quanto para quem faz uso como meio de locomoção, que é o caso do estoquista Maurício de Oliveira. “Eu sempre gostei muito de andar de bike e quando comecei a trabalhar já me planejei para fazer o trajeto da minha casa até o meu trabalho pedalando”, contou. Para ele, além de ser uma ótima atividade física, ainda consegue economizar dinheiro. 

Outra grande atração da Beira-Mar é a arena de esporte de areia que, além de garantir a prática esportiva, visa promover a integração de pessoas de diferentes idades e classes sociais. Com quadras gratuitas que podem ser usadas para praticar beach tênis, futevôlei, vôlei de praia e beach soccer, a arena é um local de uso público para os moradores. Disponível para os moradores 24 horas, a organização entre os jogadores costuma ser através de filas.

Quem tem interesse em usar uma das quadras é só chegar no local, trazer os equipamentos que vai utilizar para o jogo, como bolas e raquetes, e esperar sua vez. A arquiteta Mariana Vieira Medeiros, que frequenta a quadra de tênis com seu namorado há alguns anos, afirma que a dinâmica funciona bem. “Existem grupos no Whatsapp de pessoas que se conheceram nas quadras e fazem uso delas frequentemente. A gente se comunica para saber quantas pessoas vão em determinado dia e horário ou se tem muita gente na fila de espera”, explicou a arquiteta. 

Além de todas essas opções de esporte e lazer, o calçadão da Avenida Beira-Mar dispõe de banheiros químicos, fraldários e decks de madeira com bancos e cobertura. Aos sábados pela manhã, o local dá espaço para uma espécie de feirinha que acontece entre comerciantes de artesanatos, colares e pulseiras, roupas,  apetrechos para praia, entre outros produtos. Também é fácil encontrar carrinhos com opções de lanches, caldo de cana, milho verde, pipoca, churros e cocada.

O réveillon mais disputado da ilha também é aqui. Todos os anos, a principal festa de fim de ano da cidade conta com diversos shows, uma árvore de Natal e queima de fogos que animam a avenida. A estrutura para a festa é montada na área do trapiche. Organizado pela prefeitura, o Réveillon dos Sonhos é realizado todos os anos, chegando a receber mais de 350 mil pessoas. Durante o evento, as seis pistas, três na direção Centro-Norte e três Norte-Centro, ficam bloqueadas para a passagem de veículos e se abrem para a multidão que toma conta do espaço.

Faz parte da Avenida Beira-Mar um dos lugares mais agradáveis de Florianópolis: o trapiche. Com 62 metros de extensão por 5,3 metros de largura, costuma ser utilizado, principalmente, por embarcações pequenas. A partir desse ponto é possível ver todos os prédios ao longo da avenida, além da Baía Norte, dos bairros e municípios do continente. Por conta de suas calçadas largas e seu belo plantio de árvores, o local também se torna ponto de bastante movimento da cidade, principalmente por turistas. O trapiche é um dos melhores lugares da capital para curtir o pôr do sol. 

Avenida Beira-Mar – Foto: Marcos Campos / ND

Despoluição Beira-Mar Norte

É verdade que a vista para o mar da Avenida Beira-Mar é encantador, mas infelizmente a água está há décadas imprópria para banho, além do mal cheiro que aparece de vez em quando e deixa a paisagem não tão agradável assim. E com o objetivo de mudar esse cenário, em março de 2019, a Prefeitura de Florianópolis e a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) inauguraram a Unidade de Recuperação Ambiental (URA) para juntos trabalharem em obras para a despoluição da Beira-Mar Norte. A extensão vai do trapiche até a Ponte do Coral. Considerado um projeto inovador e inédito no Brasil, o sistema foi inspirado no processo que limpou a praia de Santa Mônica, na Califórnia. 

Toda a orla, somando 3,5 quilômetros, foi contemplada com um sistema que filtra toda a água dos canais de drenagem que desembocam na areia. Antes das obras, os canais de drenagem levavam a água de pequenos rios, além da água da chuva, direto para o mar. Com o passar dos anos, esses canais receberam ramificações de ligações irregulares de esgoto da região, o que contaminava toda a orla. Desde março, a URA tem tratado em torno de 468 mil litros por hora no período diurno, e de madrugada por volta de 252 mil litros por hora – o que equivale a quatro piscinas olímpicas que, pelo padrão estabelecido, tem 2,5 milhões de litros de água. De acordo com as análises do Instituto do Meio Ambiente (IMA), a carga poluidora de esgoto que chega à Baia Norte, fruto de ligações irregulares, foi reduzida em cerca de 80%. 

A Casan afirma que em um dos três pontos de balneabilidade medidos pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA), que está localizado junto ao Bolsão da Casan, será implantada uma nova unidade de bombeamento para estancar mais um canal de drenagem (saída de rede pluvial). A atual situação de Balneabilidade da Beira-Mar nos três pontos medidos demonstra que o projeto e a operação estão no melhor caminho, mas nada ainda deve ser considerado conclusivo. Esta melhoria, os demais ajustes e a prorrogação de prazo não acrescem o investimento financeiro na obra.

Avenida Gerira-Mar – Foto: Foto: Marcos Campos / ND

Paralelamente à ação ambiental, há o programa “Floripa Se Liga na Rede”, que visa conscientizar a população a fazer sua parte, com a correta ligação dos imóveis à rede coletora de esgoto. A iniciativa busca resolver o problema por meio do diálogo com os donos dos imóveis, além de fornecer o suporte técnico e facilidades financeiras para que façam a conexão. Além disso, também ocorrem blitz que fiscalizam irregularidades e, caso haja necessidade, multam os responsáveis pela poluição.

Mais conteúdo sobre