Alô Saúde Floripa pode ser aliado para cidades de todo o país

Serviço inédito, implantado neste mês pela Prefeitura da Capital, oferece um atendimento pré-clínico via telefone e aplicativos, gratuitamente, 24h por dia

Alô Saúde Floripa é o primeiro atendimento pré-clínico via SUS no Brasil – PMF/Divulgação/NDAlô Saúde Floripa é o primeiro atendimento pré-clínico via SUS no Brasil – PMF/Divulgação/ND

O programa Alô Saúde Floripa, da Prefeitura de Florianópolis, foi um dos assuntos abordados durante reunião dos prefeitos das capitais brasileiras com o presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, neste domingo (22), por videoconferência. No encontro on-line, foram debatidas medidas de prevenção e combate ao coronavírus no país.

De acordo com o município, os chefes do Executivo de todo o Brasil puderam abordar, na ocasião, suas necessidades para otimizar o trabalho contra o contágio da pandemia. Nesse sentido, o Alô Saúde, primeiro atendimento pré-clínico via SUS (Sistema Único de Saúde) no Brasil, lançado na capital catarinense no dia 16 deste mês, pode ser um grande aliado para as demais cidades. Segundo a prefeitura, já está na pauta do Ministério da Saúde que o programa possa atender os outros Estados do país nas próximas semanas.

“Felizmente, tivemos bastante tempo para nos prepararmos para esse serviço, que já era avaliado e implantado há mais de um ano. Mas outras cidades foram pegas de surpresa com essa emergência do coronavírus. Então, esperamos poder ajudar a população o máximo possível com o nosso serviço”, explica o prefeito de Florianópolis.

A iniciativa, inédita no país, oferece um atendimento pré-clínico via telefone e aplicativos, gratuitamente, 24h por dia. Ao ligar para o número, o morador de Florianópolis pode tirar dúvidas sobre o sistema de saúde, receber orientação sobre autocuidados e marcar consultas sem precisar se deslocar até uma unidade de saúde. Além da Central Telefônica (0800-333-3233) e o Whatsapp das equipes, o programa também tem um aplicativo próprio, o “Alô Saúde Floripa”, que está disponível nas plataformas IOS e Android, e o site www.alosaudefloripa.com.br.

As ligações são ilimitadas e gratuitas. Pelo app, os usuários terão a opção de entrar em contato com às equipes por meio de videochamadas, chats, acessar o contato whatsapp das equipes de saúde, conferir notícias, acessar prontuários e prescrições, além de poder entrar em contato com a própria equipe de atendentes do Alô Saúde Floripa.

Michael da Rosa, de 35 anos, morador do bairro Carvoeira, em Florianópolis, conta que já usou o atendimento na última semana. “Minha mãe estava com muitas dúvidas sobre como agir em caso de suspeita de contato com uma pessoa portadora do coronavírus. Aí liguei para saber que procedimentos devemos ter neste caso e foi ótimo. Gostei muito da forma como nos atenderam. Isso é muito importante porque, neste momento, todos estão com muito medo e, quando achamos que é preciso agir, não sabemos como. Aí você se dá conta que a ajuda está muito perto, no telefone, por vários canais. Eu fiquei muito tranquilo e agora já sei, com as orientações que recebi, como ajudar meus familiares”, conta ele.

Arcélia Martins dos Passos, 64, também elogia a assistência das equipes do município. “Eu fiquei com muito medo, porque meu sobrinho me contou que tinha participado de um evento, onde havia uma suspeita que uma pessoa de outro Estado estava com coronavírus. A suspeita acabou não se confirmando, mas fiquei muito nervosa e já queria saber como agir se o caso se confirmasse, o que não ocorreu. Mas fui muito bem orientada e me senti amparada, por saber que tenho essa ajuda, literalmente, em mãos, sem ter que sair de casa.  Afinal, eu já estou no grupo de risco”, acrescenta.

Protocolos e encaminhamento dos casos

Por meio do serviço Alô Saúde Floripa, a população pode esclarecer dúvidas sobre medicamentos, calendário vacinal e possíveis reações, surtos (sarampo, coronavírus), orientação em caso de dificuldades com amamentação, dúvidas sobre gravidez, dor de garganta, diarreia e dores de cabeça, por exemplo. O usuário também pode entrar em contato com as equipes para saber se precisa procurar um Centro de Saúde, uma Unidade de Pronto Atendimento ou um Hospital, agendar consultas pelo WhatsApp, checar se a sala de vacinas ou de procedimentos está aberta, entre outras opções.

No nível 1, explica a prefeitura, são solucionadas as dúvidas gerais. Ao ligar para a Central de Atendimento do Alô Saúde, o cidadão vai se identificar e falar com um técnico de enfermagem sobre o seu problema. Se ele apontar alguma queixa de saúde, o técnico vai passar para o próximo nível. No nível 2, um enfermeiro especializado vai atender o paciente e utilizar um protocolo internacional adaptado para Florianópolis. Por exemplo: se o cidadão apontar dor de garganta, febre e tosse, a enfermeira vai fazer uma série de perguntas para avaliar a gravidade do atendimento. Neste nível, o usuário poderá agendar consulta pelo WhatsApp no Centro de Saúde, que avisará a equipe de saúde responsável por essa pessoa, informando quem ligou, porque ligou e qual foi a orientação dada. Em alguns casos, a consulta será agendada para a pessoa dentro das 48 horas seguintes. A equipe de enfermagem também vai realizar um contato de retorno para avaliar como a pessoa está e se melhorou. Esse contato de retorno será feito entre 1 e 24 horas após a pessoa ter ligado.

Aliado contra epidemias

Perguntas como: se o paciente viajou para algum país com epidemia do Coronavírus, se teve contato com alguém que viajou, entre outras dúvidas seguidas no protocolo, poderão ajudar o município a identificar um caso suspeito sem que ele precise ir até uma unidade de saúde. O protocolo do sistema de saúde do Reino Unido, para casos de Coronavírus, foi importado para Florianópolis. O método orienta para que os pacientes com gripe não se desloquem para às unidades de saúde, mas que ao invés disso, entrem em contato com o sistema de atendimento pré-clínico que já existe no Reino Unido. Assim será seguido também em Florianópolis. Se um caso suspeito for identificado, o profissional do “Alô Saúde Floripa” vai comunicar imediatamente a vigilância epidemiológica, para que o procedimento padrão seja aplicado.

“Identificar um caso suspeito de Coronavírus sem que o paciente vá até uma unidade de saúde é o melhor dos cenários. Afinal, evita-se que o vírus se espalhe em uma unidade que já possui pessoas com fragilidade na sua imunidade aguardando por atendimento”, explica o secretário de Saúde de Florianópolis.

Os profissionais selecionados para estes atendimentos têm uma escuta qualificada para indicar o local correto que o paciente deve ir, seja para uma UPA, Centro de Saúde ou hospital e não vai substituir uma consulta com médico ou enfermeiro. Por meio da iniciativa, não será realizada prescrição de medicamentos ou solicitação de exames. A princípio não há conexão direta entre o Alô Saúde e o SAMU, que em casos de necessidade deverá ser contatado pelo usuário.

Além de tirar suas dúvidas, a população pode marcar consultas por meio do serviço sem precisar ir até uma unidade de saúde na capital catarinense  –  PMF/Divulgação/NDAlém de tirar suas dúvidas, a população pode marcar consultas por meio do serviço sem precisar ir até uma unidade de saúde na capital catarinense  –  PMF/Divulgação/ND

Marcação de consultas

Pelo serviço, o cidadão, além de tirar suas dúvidas, pode realizar a marcação de consultas sem precisar ir até uma unidade de saúde de Florianópolis. Além da Central do “Alô, Saúde”, que poderá agendar a consulta para casos mais urgentes, a prefeitura também equipou todas as 151 equipes da saúde da família, compostas por médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde, com celulares e números de whatsapp. Assim, todos os pacientes terão o contato da sua equipe de saúde para marcar diretamente a consulta e tirar dúvidas via aplicativo.

“Vai haver casos em que os pacientes já em acompanhamento querem apenas tirar dúvidas sobre os resultados de um exame. Ele pode fazer isso via whatsapp para o seu médico. Os quais podem tranquilizar quanto a normalidade e agendar uma consulta apenas se for necessário, sem que ele precise se deslocar até a unidade, caso não queira”, explica a médica Fernanda Melchior, uma das coordenadoras do programa.

O programa “Alô, Saúde” começou a ser construído em 2017, com a melhoria da estrutura física das unidades de saúde de Florianópolis. Em seguida foram feitas mudanças de fluxos nos Centros de Saúde. Em 2019, começou a implantação do novo prontuário eletrônico, que vai permitir uma conexão do histórico do paciente em tempo real para qualquer local de atendimento.

Conforme determina a Lei Municipal nº 10.199, de 27 de março de 2017, a Prefeitura Municipal de Florianópolis informa que a produção deste conteúdo não teve custo, e sua veiculação custou R$2.000,00 reais neste portal.

+

Prefeitura de Florianópolis