Ampliar horário de venda de álcool em SC pode estimular aglomerações, diz especialista

Novo decreto permite que, a partir desta segunda-feira (5), os estabelecimentos vendam bebidas alcoólicas para consumo no local até às 22h

A medida restritiva que trata da venda e consumo de bebidas alcoólicas em Santa Catarina sofreu uma alteração. A partir desta segunda-feira (5), os estabelecimentos podem vender bebidas alcoólicas para consumo no local até às 22h. Anteriormente, a restrição era imposta a partir das 18h.

Para especialista, ampliação de horário de venda de álcool em Santa Catarina pode estimular aglomerações – Foto: Pixabay/Reprodução/NDPara especialista, ampliação de horário de venda de álcool em Santa Catarina pode estimular aglomerações – Foto: Pixabay/Reprodução/ND

A regra consta no novo decreto publicado neste domingo (4). Todas as outras medidas permanecem as mesmas e foram prorrogadas até o dia 12 de abril.

Em entrevista ao ND+ na manhã desta segunda, Jefferson Traebert, epidemiologista e professor da Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina) considera que a alteração neste ponto do decreto pode estimular ainda mais as aglomerações.

Em Santa Catarina, flagrantes de festas irregulares, inclusive com pessoas circulando sem máscara — prática considerada ilegal e passível de multa de R$ 500, segundo o regramento vigente no Estado — repercutiram nacionalmente no feriadão de Páscoa.

“Não é momento para afrouxar regras”

O professor Traebert explica que a ampliação do horário de venda e consumo de bebidas alcoólicas nos estabelecimentos é um “facilitador para ajuntamentos de pessoas”.

A restrição mais dura, segundo ele, era uma boa maneira de desestimular as pessoas a se encontrarem e evitar os chamados happy hours. O especialista considera a permissão um contrassenso frente à situação grave que Santa Catarina atravessa no combate à pandemia da Covid-19.

“Não é o momento para afrouxar regras. Muito pelo contrário. É um momento extremamente grave. Os indicadores ainda apontam o alto número de infectados e óbitos. Além disso, continua alta a demanda no sistema de saúde”, aponta o professor.

Manutenção de medidas

O epidemiologista diz que a manutenção de medidas que restrinjam ao máximo o contato entre as pessoas é fundamental, ao menos, até que o Estado alcance maior cobertura vacinal contra a Covid-19.

Além disso, é preciso que o sistema de saúde normalize os atendimentos dentro de sua capacidade. O professor reforça a importância de respeitar as medidas sanitárias como o distanciamento social, o uso da máscara e a higienização das mãos.

“São medidas que todos nós precisamos continuar adotando para evitar o contágio pela Covid-19. Toda e qualquer medida que vá contra isso, me parece um contrassenso”, alertou.

Decisão partiu do Coes

O superintendente da Vigilância em Saúde de Santa Catarina, Eduardo Macário, disse que o Coes (Centro de Operações de Emergência em Saúde) decidiu pela manutenção das medidas restritivas em vigência desde o dia 20 de março.

A alteração do ponto que fala sobre a venda e consumo de bebidas alcoólicas também foi decidida em reunião do Coes.

Segundo o superintendente, durante os 14 dias em que a medida mais dura esteve em vigência, foi possível comunicar às pessoas o risco de contágio em encontros sociais.

“Quando você tira a máscara e fica próximo de outras pessoas em ambientes fechados, o risco de transmissão é muito grande. Serviu para isso: alertar. E continuaremos alertando. Ainda que os casos ativos tenham reduzido, a situação ainda não é confortável. Temos que manter as atitudes preventivas gerais”, disse Macário.

Evento em beach club de Florianópolis repercutiu nacionalmente em perfis que denunciam aglomerações – Foto: Foto: Instagram/Reprodução/NDEvento em beach club de Florianópolis repercutiu nacionalmente em perfis que denunciam aglomerações – Foto: Foto: Instagram/Reprodução/ND

Medidas serão revistas

De acordo com Macário, o Coes orientou para que as medidas sanitárias impostas a bares, restaurantes e afins sejam revistas. “As equipes técnicas estão trabalhando em dois novos regramentos que vão dar mais segurança podendo ter um impacto positivo em relação à redução do risco de transmissão”, explicou.

Normas que tratam da prática de esportes também serão reavaliadas. As medidas devem ser estudadas e divulgadas por meio de decretos e portarias ainda nesta semana.

Para Macário, a ideia é que os estabelecimentos possam operar de forma mais segura, ao contrário do que se viu no último final de semana, quando foram registradas festas e aglomerações.

“Os estabelecimentos respeitavam o limite de ocupação, vendiam bebidas alcoólicas até às 18h, mas desrespeitavam o uso da máscara. Pessoas se aglomerando, muito próximas umas das outras. Isso é inadmissível em uma situação de risco gravíssimo como a que estamos vivendo”, apontou.

+

Saúde