Anvisa investiga morte de adolescente vacinada com a Pfizer

Agência Nacional de Vigilância Sanitária, por meio de nota, confirmou que apura a relação da primeira dose da Pfizer com a morte de uma adolescente de 16 anos; relação, no entanto, é pouco provável

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou uma nota, no início da noite desta quinta-feira (16), que revela a investigação sobre a morte de uma adolescente de 16 anos, que teria recebido a primeira dose da Pfizer.

Vacina da Pfizer será fabricada a partir de 2022 no Brasil; Anvisa afirma que não há correlação entre a morte e a atuação do imunizante – Foto: Fotos Públicas/divulgação/NDVacina da Pfizer será fabricada a partir de 2022 no Brasil; Anvisa afirma que não há correlação entre a morte e a atuação do imunizante – Foto: Fotos Públicas/divulgação/ND

A agência foi informada, ainda na última quarta-feira, que no dia 2 de setembro ocorreu uma reação adversa grave em uma adolescente após uso da vacina contra a Covid-19.

A própria Anvisa ressalta, no entanto, que não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina.

A agência também informou que iniciou a avaliação e a comunicação com outras autoridades públicas e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação.

Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina.

Providências

Além de estabelecer contato com as sociedades científicas, a fim de intensificar a identificação precoce dos casos de eventos adversos graves pós-vacinação de adolescentes, a Anvisa realizará reunião com a empresa Pfizer e os responsáveis pela investigação do caso no Estado, além do Cievs (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) nacional para obter mais informações.

A Agência ressalta que todas as vacinas autorizadas e distribuídas no Brasil estão sendo monitoradas continuamente pela vigilância diária das notificações de suspeitas de eventos adversos.

Os dados gerados pelo avanço do processo vacinal em larga escala são cuidadosamente analisados em conjunto com outras autoridades de saúde. Até o momento, os achados apontam para a manutenção da relação benefício versus risco para todas as vacinas, ou seja, os benefícios da vacinação excedem significativamente os seus potenciais riscos.

Vacina Pfizer

A Anvisa aprovou a utilização da vacina da Pfizer para crianças e adolescentes entre 12 e 15 anos, em 12 de junho de 2021. Para essa aprovação, foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança.

Para as conclusões sobre eficácia, foram considerados 1.972 adolescentes vacinados. A eficácia da vacina observada foi de 100% para indivíduos sem evidência de infecção prévia por Sars-CoV-2, antes e durante o regime de vacinação, e 100% para aqueles com ou sem evidência de infecção prévia por Sars-CoV-2, antes e durante o regime de vacinação.

+

Saúde

Loading...