Anvisa se reúne com responsáveis pela vacina Sputnik V

Encontro deve ocorrer no fim da tarde desta quinta-feira (21); agência ainda não aprovou o imunizante contra a Covid-19 no país por falta de documentação

Logo após o ministro do STF (Supremo  Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski determinar que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) preste informações, em até 72h, sobre a análise de um pedido de uso emergencial da vacina Sputnik V, desenvolvida pela Rússia para o combate à Covid-19, um encontro com representantes da farmacêutica União Química foi marcado.

vacinaExpectativa é que a União Química sane as dúvidas da Anvisa sobre o imunizante e entregue documentos que faltam para a liberação – Foto: Arquivo/Maurício Vieira/Secom

A reunião acontece na quinta-feira (21) e a pauta da reunião será o pedido de uso emergencial do imunizante no país. A expectativa é que a União Química sane as dúvidas da Anvisa sobre o imunizante e entregue os documentos que faltam para a liberação. Em 16 de janeiro, a Anvisa informou ter restituído os documentos referentes ao pedido de uso emergencial da vacina no Brasil.

O órgão alegou que a ação se deve a ausência de “requisitos mínimos” para a submissão e análise pela agência. Segundo a Anvisa, “não basta o pedido de autorização de estudo clínico da fase 3 estar protocolado para pedir uso emergencial. É necessário que tais estudos estejam em andamento no país, além de outras medidas condicionantes já previstas”, pontuou.

“O pedido foi restituído a empresa por não atender aos critérios mínimos, especialmente pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos fase 3, a condução em andamento no país e questões relativas às boas práticas de fabricação”, ressaltou.

Em 17 de janeiro, o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês), informou que enviaria “em breve” os dados adicionais sobre a Sputnik V para buscar a aprovação do uso emergencial da vacina, que será produzida no DF, contra a Covid-19.

+

Saúde