Após áudios vazados, MP abre inquérito para apurar fura-fila no Sul de SC

Depois de uma apuração preliminar, a 3ª Promotoria de Justiça decidiu pela abertura do inquérito para investigar o caso em Urussanga

Após investigações preliminares, o MPSC (Ministério Público de Santa Catariana) instaurou um inquérito civil para apurar um possível fura-fila na vacinação para Covid-19 em Urussanga, no Sul do Estado.

A 3ª Promotoria de Justiça agora investiga possíveis atos de improbidade administrativa cometidos por agentes políticos, servidores públicos e profissionais de saúde na cidade com o objetivo de burlar o calendário de vacinação.

Suspeita é de que pessoas que não estariam no grupo prioritário tenham recebido doses da vacina para Covid-19  – Foto: Ivan Rupp/Prefeitura de Balneário Camboriú/DivulgaçãoSuspeita é de que pessoas que não estariam no grupo prioritário tenham recebido doses da vacina para Covid-19  – Foto: Ivan Rupp/Prefeitura de Balneário Camboriú/Divulgação

As apurações se iniciaram em abril com a instauração de uma notícia de fato, que é um procedimento inicial de investigação, com o objetivo de apurar suspeitas e levantar indícios de irregularidades na distribuição das doses de vacinas contra a Covid-19.

Após a análise das primeiras informações coletadas sobre os fatos, a 3ª Promotoria de Justiça instaurou um inquérito civil.

Segundo as informações, além de agentes políticos e servidores, principalmente profissionais da saúde estariam envolvidos nas fraudes, que tinham como objetivo facilitar a vacinação de pessoas que não faziam parte do público alvo da vacinação contra a doença.

Áudios vazados

O assunto veio à tona, após diversos áudios de uma reunião de trabalho da equipe da Secretaria de Saúde de Urussanga terem vazado. Nos áudios a secretária de Saúde Ingrid Zanelatto cobra possíveis desvios de doses “fura-fila” e falhas no armazenamento de vacinas contra a Covid-19.

“A gente descobriu isso aí porque foi denunciado lá no gabinete”, fala a secretária no áudio. “Me mandaram o relatório e eu vi maridos vacinados, um monte de gente, eu vi comunidade e assim, não existe uma comunidade do município que não tenha tido ‘fura-fila’”, registra um dos trechos do áudio.

Prefeitura também apura o caso

Na última semana, o prefeito interino de Urussanga Jair Nandi decretou que uma sindicância seja instalada no município para investigar as supostas fraudes na execução do Plano Municipal de Vacinação.

Uma comissão composta por três servidoras públicas concursadas, sendo uma indicada pelo sindicato, investiga o caso.  A comissão terá o prazo de 30 dias para conclusão da apuração dos fatos.

Além disso, a Secretaria de Saúde do Município já havia emitido nota em que destacava que estava colaborando com as investigações do MPSC.

+

Saúde