Após criança ir parar em UTI, Anvisa alerta que slime pode causar intoxicação

Produto vendido como ativador do brinquedo, bórax pode causar náuseas, vômitos, cólicas abdominais e até choque cardiovascular

Após a pequena Laysla, de 8 anos, ir parar na UTI por intoxicação causada pelo brinquedo slime, a Anvisa emitiu alerta sobre o produto. Conforme o órgão, a substância bórax, também conhecida como borato de sódio, é prejudicial à saúde, especialmente para crianças.

O bórax vem sendo utilizado e vendido de forma inadequada como ativador de slime. Na semana passada, a mãe de Laysla, a digital influencer Thamires Ximenes, escreveu relato nas redes sociais para alertar os pais sobre o brinquedo.

Laysla foi internada com intoxicação por bórax – Foto: Thamires Ximenes/Arquivo Pessoal/Reprodução

“Uma brincadeira comum entre crianças, que para muitos parece inofensiva, se tornou motivo de muita dor e angústia para nossa família”, escreveu a moradora de Brasília.

A pequena foi diagnosticada com insuficiência renal e internada às pressas na UTI, chegando a ficar com menos de 40% da função dos rins.

Bórax não é regulamentado como brinquedo

Segundo a Anvisa, o bórax não é regulamentado pela Agência como ativador de slime.

Trata-se de um produto químico autorizado para diversas finalidades, como em fertilizantes, produtos de limpeza e até mesmo em medicamentos. Entretanto, se inalado ou ingerido, pode causar intoxicação.

Bórax vem sendo utilizado e vendido de forma inadequada como ativador de slime – Foto: Reprodução

O uso inadequado do bórax pode provocar náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarreia com coloração azul/esverdeada, cianose (pele, unhas e lábios azulados ou acinzentados) e queda de pressão, perda da consciência e choque cardiovascular.

Em 2002, a Anvisa proibiu um brinquedo chamado “Meleca Louca” por causa da presença do bórax.

“Por isso, seu uso deve ser restrito para as finalidades autorizadas e nas doses recomendadas pelas autoridades competentes. Por se tratar de um produto químico, não deve ser manipulado por crianças”, destaca o órgão.

Orientações da Anvisa em caso de intoxicação:

  • Não provoque vômito
  • Não ingira água, leite ou qualquer outro líquido
  • Ligue para o Centro de Informações Toxicológicas (CIT) local. Veja o número do Centro de cada estado e do Distrito Federal no link
  • Se recomendado pelo atendente do centro, busque atendimento médico com urgência

Intoxicação foi confundida com virose e constipação

Conforme o relato da mãe de Laysla, a menina começou a reclamar de dores na barriga após começar a “fabricar” slime com frequência.

“Os médicos sempre tratavam como virose ou constipação. Depois, apareceram muitas machas na pele e os médicos diagnosticaram como dermatite atópica”, contou.

Quando as dores se intensificaram, a família levou Laysla para a emergência, com a criança gritando.

“No hospital, logo no primeiro exame de sangue, ela foi diagnosticada com insuficiência renal e internada às pressas na UTI! No atendimento com nefrologista, fomos informados que ela estava com menos de 40% da função renal”, relatou Thamires.

“Exames de sangue e urina tiveram que ser feitos com urgência em São Paulo e nenhum explicava a diminuição da função renal. Os rins dela estavam parando de funcionar! Foram longos três dias de UTI, e somente analgesia com morfina passava as dores dela”, continuou a mãe.

Após dias de investigação, Laysla começou a reagir. “Ninguém conseguia chegar a um diagnóstico. Tudo apontava para a necessidade da minha filha fazer biópsia do rim e diálise”, contou Thamires.

Somente no sétimo dia de internação, os médicos descobriram que o quadro da menina foi causado por intoxicação por bórax.

“Sempre achamos que nunca vai acontecer com a gente! Só quem é pai e mãe entende o desespero que é ver seu filho gritando de dor e sentir na pele a impotência de não poder fazer nada, apenas orar e pedir a Deus que acabe logo com aquilo tudo”, lamentou Thamires.

Segundo a mãe, Laysla já recebeu alta e está em casa se recuperando.

+

Saúde