Após pressão por melhorias, governo de SC reúne-se com trabalhadores do Samu

Encontro com secretário adjunto de Estado da Saúde, Alexandre Lencina Fagundes, acontece nesta terça-feira (15); contratada OZZ Saúde garante que faltam verbas para repassar aos funcionários

Após manifestação com cartazes e faixas de pedidos de “Resolve Moisés”, em frente à Casa d’Agronômica, em Florianópolis, na manhã desta terça-feira (15), os trabalhadores do Samu marcaram uma reunião com o secretário adjunto de Estado da Saúde, Alexandre Lencina Fagundes.

O objetivo do encontro, às 15h, é pressionar a SES (Secretaria de Saúde do Estado) por melhores condições de trabalho.

Após pressão dos funcionários da Samu, reunião com secretário adjunto da Saúde é marcada – Foto: Gabriel Volinger/SindSaúdeApós pressão dos funcionários da Samu, reunião com secretário adjunto da Saúde é marcada – Foto: Gabriel Volinger/SindSaúde

Segundo o SindSaúde/SC (Sindicato do Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde Pública Estadual e Privado de Florianópolis e Região), os mais de 950 profissionais que atuam no Samu contratados pela OZZ Saúde seguem há 4 anos sem direito a férias, há 3 anos sem reajuste salarial e sem FGTS.  Também reclamam da falta de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

“Além disso, durante a pandemia, os próprios profissionais da ambulância têm de fazer a higienização das viaturas, o que, além de constituir desvio de função, pode acabar atrasando o atendimento”, diz o SindSaúde/SC.

No entanto, a SES garante que o Governo de Santa Catarina está em dia com suas obrigações licitatórias e que, em 2020, realizou o pagamento de mais de R$ 125 milhões para a contratada OZZ Saúde, cuja função engloba gestão preventiva e corretiva.

No meio deste embate entre Samu e Governo, a OZZ Saúde garante que lhe faltam verbas fornecidas pelo poder público para repassar aos funcionários da Saúde.

Trabalhadores do Samu fizeram uma manifestação em frente à Casa d’Agronômica, nesta terça-feira (15) - Gabriel Volinger/SindSaúde
1 6
Trabalhadores do Samu fizeram uma manifestação em frente à Casa d’Agronômica, nesta terça-feira (15) - Gabriel Volinger/SindSaúde
Os funcionários pedem por melhores condições de trabalho - Gabriel Volinger/SindSaúde
2 6
Os funcionários pedem por melhores condições de trabalho - Gabriel Volinger/SindSaúde
Samu busca ajustar questões como o não recebimento do FGTS e o atraso do décimo terceiro de 2020 - Gabriel Volinger/SindSaúde
3 6
Samu busca ajustar questões como o não recebimento do FGTS e o atraso do décimo terceiro de 2020 - Gabriel Volinger/SindSaúde
Após pressão dos funcionários da Samu, reunião com secretário adjunto da Saúde é marcada - Gabriel Volinger/SindSaúde
4 6
Após pressão dos funcionários da Samu, reunião com secretário adjunto da Saúde é marcada - Gabriel Volinger/SindSaúde
Representantes do Samu irão se encontrar com secretário adjunto da Secretaria da Saúde de SC - Gabriel Volinger/SindSaúde
5 6
Representantes do Samu irão se encontrar com secretário adjunto da Secretaria da Saúde de SC - Gabriel Volinger/SindSaúde
A SES garante que o Governo de Santa Catarina está em dia com suas obrigações licitatórias e que, no ano 2020, realizou o pagamento de mais de R$ 125 milhões para a contratada OZZ Saúde - Gabriel Volinger/SindSaúde
6 6
A SES garante que o Governo de Santa Catarina está em dia com suas obrigações licitatórias e que, no ano 2020, realizou o pagamento de mais de R$ 125 milhões para a contratada OZZ Saúde - Gabriel Volinger/SindSaúde

“Fica uma briga entre a SES e a empresa. Enquanto a Secretaria diz que já entregou todos os recursos necessários para o atendimento, a OZZ fala que precisa de um aporte financeiro”, diz o sindicato.

Samu busca ajustar questões como o não recebimento do FGTS e o atraso do décimo terceiro de 2020 – Vídeo: Gabriel Volinger/SindSaúde

O Governo ainda enfatiza que a SES vem cumprindo seu papel de fiscalizador do contrato com a OZZ Saúde, e que já chegou a advertir e penalizar a empresa em momentos específicos.

Confira a nota da SES na íntegra

NOTA SOBRE MANIFESTAÇÕES

“A Secretaria de Estado da Saúde acompanha a insatisfação dos profissionais do SAMU e entende que são anseios e acúmulo de muitos anos, cuja manifestação é compreensível. Afinal, é direito de cada profissional cobrar e se posicionar.

A Secretaria da Saúde enfatiza que o Estado faz e sempre fez seu papel de fiscalizador do contrato com a OZZ Saúde. Já chegou a advertir e penalizar a empresa em momentos específicos.

O Governo de SC está em dia com suas obrigações licitatórias e pagou, no ano 2020, mais de R$ 125 milhões para a contratada, cuja função engloba gestão preventiva e corretiva.

A Superintendência de Urgência e Emergência conversa semanalmente com a empresa para preencher lacunas que achamos pertinentes e que vem sendo verificadas.

Achamos importante enfatizar que jamais deixamos a população desassistida e, quando houve necessidade de intervenção, como nas Centrais de Regulação de Urgência, nós nos antecipamos.

Acreditamos que, sim, há melhorias a serem feitas e trabalhamos para isso. Todos os dias. Neste final do mês de maio, por exemplo, uma decisão da Comissão Intergestores Bipartite fez história no Estado de Santa Catarina: foi instaurada a primeira Câmara Técnica de Urgência e Emergência.

Esse colegiado terá como principais objetivos, justamente, discutir e propor encaminhamentos, redefinir compromissos das esferas Estadual, Regional e Municipal acerca da organização dos componentes da Rede e servir como instância de avaliações.

A Secretaria continuará as conversas com a empresa e acompanha as movimentações para que essas discussões finalmente tenham desfecho”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...