Homem tem mão reimplantada após ser decepada em briga em Blumenau; veja como ficou

De acordo com os médicos que fizeram o atendimento, a agilidade foi essencial para que o reimplante fosse possível

O homem de 39 anos que teve a mão decepada durante uma briga em Blumenau no dia 16 de outubro teve o membro reimplantado pela equipe médica do Hospital Santo Antônio.

De acordo com a equipe médica, a agilidade no socorro à vítima foi essencial para que o reimplante fosse bem-sucedido. Entre o primeiro atendimento e o procedimento médico no centro cirúrgico foram apenas duas horas.

Imagem mostra parte do antebraço e a mão de um home, com marca de pontos de uma cirurgia, sobre um tecido hospitalar verde

Homem que perdeu a mão durante briga teve o membro reimplantado em cirurgia no Hospital Santo Antônio, em Blumenau

A cirurgia em si durou mais de seis horas. Os cirurgiões especialistas em mãos Filipe Pimont Berndt e Gustavo Schweigert, acompanhados por uma equipe formada por anestesista, cirurgião, residentes, enfermeiros e técnicos de enfermagem trabalharam para reimplantar a mão do paciente.

O cirurgião Filipe Pimont Berndt explica que a cirurgia foi altamente complexa. Precisaram ser recuperadas duas artérias, cinco veias, 24 tendões, três nervos e os ossos.

“A agilidade de como ocorreu o atendimento até o paciente ser levado ao centro cirúrgico foi imprescindível para a mão ser reimplantada com ótima perfusão”, avalia.

O paciente, que teve a identidade preservada, falou da importância de saber como proceder nesses casos para garantir que o membro amputado pudesse ser reimplantado.

“Sempre gostei de ver séries sobre hospitais e quando ocorreu eu tive muita cautela, não entrei em desespero. Literalmente, posso dizer que eu salvei meu próprio membro para fazer o reimplante, pois quando todos da minha família estavam desesperados, eu consegui ter discernimento para colocar em uma sacola e depois colocar no gelo. É importante que a população saiba como agir caso ocorra com alguém próximo a você”, diz.

Entenda o caso

No final da tarde da sexta-feira, 16 de outubro, um homem teve a mão esquerda decepada durante uma tentativa de homicídio em Blumenau. O crime ocorreu por volta das 18h30na rua Franz Volles, no bairro Itoupava Central.

No dia do crime, a vítima foi atendida pelo Corpo de Bombeiros e, além da mão decepada, também tinha ferimentos na cabeça. Após os primeiros socorros, a equipe do Arcanjo 3 levou o homem para o Hospital Santo Antônio.

A Polícia Civil iniciou a investigação no mesmo dia e conseguiu identificar o autor dos golpes, que havia fugido da cena do crime. Na segunda-feira posterior ao crime, dia 19 de outubro, o homem apontado como autor se apresentou na DIC (Divisão de Investigação Criminal).

Segundo a polícia, o suspeito confessou o crime e apontou como os fatos ocorreram. Segundo a versão do autor, ele cometeu o crime em um momento de raiva por conta de ciúmes de situações do passado entre sua esposa e a vítima.

O homem informou ainda que não tinha a intenção de tirar a vida da vítima, porém estava fora de si no momento das agressões. O autor é um homem de 30 anos, também mora no bairro Itoupava Central e não possui passagens anteriores pela polícia.

Informação e experiência garantem recuperação

De acordo com o Hospital Santo Antônio, este caso já é o quinto reimplante de mão a partir do punho realizado na unidade de saúde. Os outros procedimentos foram feitos em 2019, 2017, 2014 e 2011. “Um reimplante deste tipo é considerado raro, pois são diversos fatores que levam a ter uma possibilidade de reimplante bem-sucedido.” complementa o cirurgião Filipe Pimont Berndt.

O médico também destaca a importância de saber como proceder em um caso de amputação acidental de membros. Ele explica que é necessário conservar o órgão atingido para garantir o sucesso do reimplante.

“Se você testemunhar esse tipo de acidente, em que uma pessoa sofre a amputação de um membro, o primeiro passo é tentar acalmar a vítima. Depois pegue o membro amputado e enrole em um pano úmido, de preferência com soro fisiológico, e coloque dentro de um saco plástico. Após esse procedimento, colocar em um recipiente (isopor ou caixa térmica) com gelo. Importante ressaltar que não se deve deixar o membro em contato direto com o gelo, pois caso isso ocorra, poderá haver queimadura térmica, ocasionando a impossibilidade de reimplante”, esclarece.

+

Saúde