Asilos já registraram 16 mortes de idosos por Covid-19 em Blumenau

Surto de coronavírus atingiu 34 dos 76 idosos que vivem em apenas uma das 21 casas de repouso da cidade

O surto de coronavírus que atingiu a Casa São Simeão, um dos asilos mais conhecidos de Blumenau, jogou luz na situação de propagação da
Covid-19 nas casas de convivência de idosos. Segundo a prefeitura, 16 idosos que moravam em seis asilos morreram em decorrência do coronavírus, o que equivale a 12% das vítimas fatais da cidade.

Surto de coronavírus em asilo de Blumenau levanta preocupação com o grupo de risco – Foto: Pixabay/Divulgação

Vale lembrar que a primeira vítima fatal do coronavírus em Santa Catarina era morador de um asilo. Harry Klueger, 86 anos, estava internado em uma casa de repouso na cidade de Antônio Carlos já por conta da saúde debilitada. Na época, ele ainda passou por outros três municípios em busca de atendimento: Porto Belo, onde morava antes de ir para o asilo e era cuidado pelos filhos; Balneário Camboriú, para onde foi encaminhado no Hospital Ruth Cardoso; e São José, para onde foi levado pelo Samu depois de se sentir mal no asilo. Depois de morrer, ele foi sepultado em Blumenau.

A cidade possui 21 Instituições de Longa Permanência para Idosos (Ilpis), como são chamados os asilos e casas de repouso, onde vivem atualmente 551 idosos. Destes, 139 já foram infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia.

Na quarta-feira (2)*, a prefeitura contabilizou 64 idosos residentes dos asilos que estão com o vírus ativo, segundo a Secretaria de Promoção da Saúde. Além disso, 59 idosos que foram infectados e já passaram pelo período de isolamento são considerados como recuperados.

Os trabalhadores das instituições também não estão imunes. Segundo a prefeitura, dos 390 funcionários dos asilos, 81 tiveram resultado positivo para a Covid-19.

Em Blumenau, os idosos são atingidos mais gravemente pelo coronavírus. A faixa etária que mais concentra mortes é entre 60 e 79 anos e a maior parte das vítimas são homens.

Situação é considerada estável pelo município

A prefeitura considera a situação estável em Blumenau, por conta do monitoramento feito pelas equipes de saúde e também pelos médicos das instituições.

O secretário de Promoção da Saúde, Winnetou Krambeck, explica que quando há um caso sintomático em um asilo, todos os idosos são testados: os sintomáticos com o RT-PCR e os não sintomáticos com os testes rápidos. “Se surgir um, testa todos e se faz a separação dos casos positivos dos negativos. Tem que ser feito o isolamento e se tiver um grupo de pessoas com resultado positivo elas podem ficar juntas, mas tem que ser isoladas das outras pessoas”.

Casos de surtos, como o que ocorreu na Casa São Simeão, são tratados da mesma maneira. Krambeck informa que os casos são informados para as famílias, mas a assistência é dada pelo asilo, com a equipe médica própria, e pelo município.

Para conter as contaminações nesses locais, a prefeitura determinou medidas como a suspensão das visitas de familiares, mesmo as que ocorriam com distanciamento, nos portões dos asilos. Outras ações de prevenção também foram recomendadas, como limitar a presença em áreas comuns, restringir o uso de objetos compartilhados e servir as refeições em horários escalonados ou nos quartos.

O secretário ressalta que para evitar o aumento da contaminação o monitoramento é constante. Os asilos e casas de repouso são acompanhados pela Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica, Secretaria de Desenvolvimento Social (Semudes) e Conselho Municipal do Idoso (CMI).

*Dados mais atualizados informados pela Secretaria de Promoção da Saúde.

+

Saúde