Aumento de casos preocupa em Chapecó após variante Delta; veja a faixa etária

Primeiro caso confirmado da variante Delta do coronavírus foi de um jovem de 24 anos; a transmissão foi comunitária

Após a confirmação do primeiro caso da variante Delta do coronavírus em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, a principal preocupação tem sido com relação ao aumento no número de casos de Covid-19 no município. A especulação é se o crescimento tem relação com a variante.

Faixa etária entre 20 e 39 anos é a principal entre os casos ativos da Covid-19 em Chapecó. – Foto: MB Comunicação/DivulgaçãoFaixa etária entre 20 e 39 anos é a principal entre os casos ativos da Covid-19 em Chapecó. – Foto: MB Comunicação/Divulgação

Apesar de ainda não haver confirmação dessa relação, o aumento de número de casos é notável na última semana. Em sete dias os casos ativos subiram de 546 para 784, um aumento de 43,5%.

Os casos suspeitos também passaram de 181, há uma semana, para 291, um aumento de 60,7%. Em sete dias o número de mortes passou de 677 para 686. Os dados são do Boletim Epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (11).

De acordo com o Informativo Epidemiológico Coronavírus divulgado no dia 6 de agosto, a maioria dos casos ativos pertence à faixa etária de 20 a 49 anos. Em relação aos pacientes internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), o maior quantitativo verificado foi entre os pacientes com 30 a 39 anos, e em enfermaria a maioria está na faixa etária de 40 a 49 anos.

Os dados são publicados pela Secretaria Municipal de Saúde a cada 15 dias ou mais.

Transmissão comunitária

O primeiro caso confirmado de infecção pela variante Delta do coronavírus em Chapecó foi de um jovem de 24 anos, morador do bairro Efapi. Segundo o gerente de Vigilância em Saúde de Chapecó, Rodrigo Momoli, ele se infectou na primeira semana de julho e teve sintomas gripais leves, mas já está recuperado.

Movimentação tem aumentado no ambulatório Covid-19 de Chapecó. – Foto: Jair Correia/NDTV ChapecóMovimentação tem aumentado no ambulatório Covid-19 de Chapecó. – Foto: Jair Correia/NDTV Chapecó

A coordenadora do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde de Chapecó, Aldarice Pereira da Fonseca, confirmou que a contaminação foi comunitária. “Ele não viajou para fora e não teve contato com ninguém que viajou. Foi feita a investigação epidemiológica dos contatos próximos a ele e será feito a avaliação laboratorial”, destacou.

Segundo Aldarice, mais de 50 pacientes com casos confirmados de Covid-19 estão aguardando avaliação de variantes, ou seja, se existe a contaminação por alguma das variantes existentes.

“O vírus está circulando em Chapecó. Esse foi o primeiro caso confirmado, mas deve haver em outros pacientes em decorrência da alta transmissibilidade dessa variante”, pontua Aldarice.

A coordenadora ressalta a importância da imunização completa e da permanência dos cuidados básicos de higienização com álcool em gel, uso de máscara, evitar ambientes fechados e aglomerações.

“Em alguns lugares o índice de pessoas vacinadas que estão com a infecção pela variante Delta é grande. Em geral pessoas vacinadas tendem a ter sintomas mais leves, mas não impede a contaminação”, observa.

Novas medidas

Após o crescimento no número de casos e a confirmação da presença da variante Delta em Chapecó, o prefeito João Rodrigues (PSD) informou a adoção de novas medidas.

“Deste o início do ano nós estamos fazendo de tudo para enfrentar a Covid-19, seja tratamento, teste ou vacinação. Neste momento queremos alertar a população para que aumente os cuidados. Nós não vamos fechar nada, mas a partir de quinta-feira vamos fazer uma vistoria mais rigorosa nos estabelecimentos noturnos e nas festas. Pode abrir mas sem aglomerar e dentro das regras”, disse o prefeito.

Testagem rápida está sendo realizada na unidade móvel. – Foto: Jair Correia/NDTV ChapecóTestagem rápida está sendo realizada na unidade móvel. – Foto: Jair Correia/NDTV Chapecó

O secretário da Saúde, Luiz Carlos Balsan, destaca que foi colocada uma das unidades móveis junto ao Ambulatório Verdão, para fazer testagem. A outra unidade de testagem é a UPA-24h. “Nós mudamos o fluxo. Primeiro testamos e depois encaminhamos os positivados de Covid para o atendimento médico, que são 20% dos testados. Os outros 80% serão atendidos nas outras unidades”, diz Balsan.

O diretor técnico da secretaria de Saúde, João Lenz, afirmou que a variante Delta não é mais agressiva do que a P1, variante que já foi identificada em Chapecó, no início do ano, mas tem maior transmissibilidade. Ele afirmou que o aumento de casos pode estar associado à nova variante.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Saúde

Loading...